Nada [in]definido, numa inconstante conjunção

Você já tentou o nada definir? Se acha que fazer isso não tem nada a ver com nada, então te convido a se deliciar com esse poema que tem como brincadeira significar o insignificável e mostrar um pouco do que o nada, pode ou não ser, porque ele é quem é e também o quanto pode sofrer em sua insignificância de nada ser.

O texto é curto, é rápido e diferente, mas também não tem nada de especial nele – ou será que podia ter? Agora só lendo pra você descobrir!

Continuar lendo Nada [in]definido, numa inconstante conjunção

Tempo que passou, distante, já não volta mais

Quando pequenos, desejamos crescer logo, afinal, criança não pode tanta coisa e os adultos parecem estar sempre proibindo tudo – sem falar no monte de coisas legais que podem fazer e a gente não.

Mas daí a gente cresce, surge um monte de responsabilidades, compromissos e obrigações e nos pegamos lembrando como era bom ser criança, quando se podia aproveitar de verdade. Só que o tempo não volta ou avança pro ponto que a gente quer – apesar de estar passando cada vez mais rápido, rumo ao que desde o princípio se definiu.

Continuar lendo Tempo que passou, distante, já não volta mais

Cansado, ele foi curtir a liberdade (In memorian)

Por maior que seja a quantidade de palavras, elas parecem perder todo o sentido quando falamos de alguém querido, pior ainda quando tentamos expressar o quão especial ele foi em vida.

Nesses momentos em que falar ou mesmo escrever parece não ser suficiente, a melhor forma de homenagear quem já não está mais fisicamente conosco é lembrar de como a pessoa viveu feliz e de sua forma única de ver e compartilhar a vida.

Continuar lendo Cansado, ele foi curtir a liberdade (In memorian)

Pela janela, a vida acenou pra mim

Olhando agora pra janela o que você consegue ver ali? Apenas paisagens, pessoas, animais e coisas, talvez até outras janelas – que podem também estar de olho em você.

Você já parou pra ouvir o que sua janela tem a dizer ou assistir tanto do que ela tem pra mostrar? Se ainda não fez isso, então o desafio está lançado, mas deixa pra depois que terminar de ler esse poema – acredito que ela vai ter muito o que lhe dizer.

Continuar lendo Pela janela, a vida acenou pra mim

Ser Humano (Complexo, divergente, similar)

Do que é feito o ser humano? Em que constitui sua essência e como fazer pra ter um pouco mais de compreensão desse complexo ser ou mesmo conseguir defini-lo?

Será que raça, cor, gênero, língua, crenças, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento – qualquer outra condição ou classificação que seja – podem realmente nos distinguir ou dizer um pouco mais sobre quem somos nós?

Continuar lendo Ser Humano (Complexo, divergente, similar)

Sombra & Luz (Conflito sem fim)

Qual a diferença entre a luz e as sombras, onde é que se encontra o limiar entre ambas as coisas? Estaria a resposta pra vida, o universo e tudo mais entre os dois extremos?

Te convido agora pra fazer um mergulho profundo – do céu ao mar, passando pela terra e o mais além – pra gente explorar um pouco das inúmeras possibilidades e vaguear pelos mistérios que permeiam toda essa dimensão.

Continuar lendo Sombra & Luz (Conflito sem fim)

A vida da morte (O que ela concedeu)

Desde pequeno a gente aprende o que fazer pra conseguir o que quer e pra isso, às vezes, são necessárias técnicas de persuasão bem criativas, assim, enquanto crescemos, continuamos em busca do que nos parece melhor, afinal, temos livre-arbítrio.

Mas e se tudo não passar de ilusão? E se negar nossos desejos e vontades for exatamente a resposta pra viver algo maior que nós mesmos, maior até que a própria vida?

Sendo isso verdade, dá pra entender qual o significado de encontrar a vida na morte.

Continuar lendo A vida da morte (O que ela concedeu)

A maldade em mim (No deserto me vi)

Por que é que a gente sofre tantas coias ruins? Qual a causa de tanto mal pra humanidade e por que D-s não faz nada, enquanto tudo parece caminhar a passos largos pra destruição, sem direito algum a retorno ou qualquer chance de final feliz?

A gente costuma procurar no outro – ou mesmo em D-s – o motivo das coisas não estarem bem, mas quanto será – das decisões que tomamos ou daquilo que a gente resolve não agir – está sendo responsável pelo que a gente tem passado?

Continuar lendo A maldade em mim (No deserto me vi)

Cume do Monte (Foi aqui que cheguei)

Às vezes precisamos tomar decisões que nos levam a escolhas difíceis e que podem resultar em um esforço grande, além de cansaço, mas quando a gente deixa de encarar a "tarefa" como algo complicado e se dispõe a fazer, pode aprender importantes lições, talvez a principal delas seja o que de bom a gente encontrou pelo caminho.

Entretanto, quando se olha, do ponto em que chegamos, pra trás é que vemos o quanto foi necessário tudo aquilo que a gente passou pra chegar até ali e como cada decisão foi importante.

Continuar lendo Cume do Monte (Foi aqui que cheguei)

Fragmentação (Me vejo em vários pedaços)

E quando a gente se encontra desfeito em inúmeros pedaços e fragmentos, todos espalhados dentro da imensa confusão e do universo que somos nós mesmos?

Continuar carregando sentimentos e absorvendo novas sensações só faz a carga aumentar e continuar impulsionando os passos pra frente se torna cada vez mais difícil, enquanto a gente se vai desaparecendo ainda mais, encontrando-se perdido dentro de quem a gente já nem sabe quem é.

Continuar lendo Fragmentação (Me vejo em vários pedaços)