Poesificando

Aquilo de que mais preciso

Sem energia corpo algum pode se mover, ficando em estado de repouso. Como propriedade da matéria, a inércia fará o possível pra continuar do mesma jeito e, a menos, que haja o que lhe conceda força não há como sair da estagnação – isso se o corpo não definhar, já que sem energia a vida fica impossibilitada e ocorre a putrefação.

A forma de se conceder energia ao corpo é através da alimentação – embora ela não seja ultilizada apenas pra saciar essa necessidade fisiológica básica – mas há mais coisas que precisam de força e que nem mesmo a dedicação na musculação pode resolver.

Esse é mais um dia daqueles

No que mais um dia de trabalho – sob o sol de verão, sendo levado por coletivos, de um lado pro outro, pra visitar lugares desconhecidos, enquanto o Google Maps é quem ditava a rota – poderia resultar?

Esse pode até não ter sido o seu caso – ou talvez sim – mas a percepção que veio a partir daí são de uma profundidade que você já deve ter experimentado, contudo, sem entender a importância do que esse momento de bad queria lhe proporcionar.

Velocidade (Que a poesia alcançou)

Bastou apenas um átimo pra ele começar a acelerar e, sem respeitar qualquer tipo de sinalização ou se atentar a limites, seguiu numa velocidade assustadora, deixando pra trás qualquer controle que se imaginou ter sobre si, seguindo em incontáveis desdobramentos.

Pelo espaço se deslocou sem atentar pra tempo, nem mesmo barreiras físicas ou subjetivas foram capazes de lhe deter ou impedir seu contínuo fluxo, seguindo numa enxurrada sem pretensão de chegar a lugar algum, apenas de arrastar o máximo de coisas pelo caminho. Tentar acompanhá-lo talvez não seja tão simples fazer, pois há a chance de se perder ou ficar pelo caminho.

Até quando isso vai continuar?

A gente se permite tanta coisa, sendo levados de um lado pro outro, como se não tivéssemos o governo de nós mesmos, assim a gente só vai e se joga na pista, sem atentar que exatamente ali é onde os veículos vem numa velocidade muito mais alta e que estamos expostos a um perigo sem precedentes.

Existe um momento onde se faz necessário dar um basta, pondo um fim naquilo que não condiz com quem realmente somos, onde é preciso parar de aturar os abusos que servem apenas pra distorcer nossa essência.

Quando grita o desespero em mim

A vida não é composta apenas de sentimentos bons e de celebração, também há momentos ruins e quando chegam parecem fazer teto e mundo desabar, enquanto o chão tenta puxar pro fundo de um poço sem fim, nesse instante tudo o que se quer é gritar, pra ver se arranca do âmago da alma o que causa tanto sofrer.

Porém, mesmo com lágrimas embaçando a visão e que a vontade seja se lançar ao desespero, é preciso prosseguir, continuar caminhando. Se entregar tornará apenas tudo mais difícil, além disso, existem responsabilidades a cumprir, mas também o que pode ajudar, sem qualquer custo elevado e de fácil localização.

Nem sempre... é o que se pode esperar

As coisas e escolhas parecem sempre contrastar entre duas opções, como se não houvesse nada além dos extremos, só que mesmo quando parecemos ter certeza de algo aquilo pode ser mostrar em completo oposto ao percebido ou de uma forma bem diferente do esperado.

Essa é a graça da vida, nem tudo é feito de certezas e os alicerces estabelecidos tanto podem funcionar bem, como ruir de uma hora pra outra sem dar qualquer aviso, por isso é bom não ser extremista e se apegar a conceitos predefinidos, pois assim como em matéria somos mutáveis, também o deve ser nosso intelecto.

O torpor que debruçado senti

Debruçado sobre a mesa passou o tempo, se foi o dia e muita reflexão surgiu, enquanto o vento soprava janela adentro deu-se pra pensar muito e entender bastante coisa, pelo menos foi o que me pareceu estar fazendo por todo aquele tempo em que estive ali curvado.

A percepção do tempo se altera dependendo de inúmeros fatores que fazem com que tenha uma passagem diferente. Da mesma forma nosso entendimento das coisas e daquilo que parece nos proporcionar prazer e segurança também pode mudar de forma inesperada.

O cara mais incrível que conheço

Longe de todo heroísmo e força bruta que se conta por aí, a história com papai é um pouco diferente, porém carregada de parceria e orientação que, a seu modo, sempre procurou me trazer e me fazer um homem melhor e capaz de conquistar o que fosse necessário.

Essa é minha homenagem aos pais e, como não podia deixar de ser, só posso falar daquilo que, de alguma forma, experenciei, por isso, aqui estão palavras, formas e versos do que aprendi com o cara mais incrível que conheço: meu paizão.

Ode à ti – Como a vejo e como tu és

Em meio a tanta beleza, é fácil ver a pessoa amada como mais ninguém consegue enxergar, tendo motivos pra compor poemas e canções, enquanto os sentidos são instigados e aguçados pelo perfume, sabor, toque, visões e sons do ser que merece nossa total admiração.

Enquanto qualidades saltam, tomando forma, preenchendo lacunas e se tornando versos, o coração acelera, o corpo aquece e a mente libera hormônios – que trazem prazerosas sensações, cada vez que lembramos do ser amado.

A poesia que no inverno se ocultou

Qual o significado do inverno pra você? Dentes batendo, pelos arrepiando, falta de vontade de sair da cama ou a solidão intensificando o frio?

Se costuma ter uma ideia negativa da estação, mas se a gente souber olhá-la, pode se surpreender com as belezas que se ocultam em seu brancor, escondidas dos olhos desatentos e dos corações cheios de reclamação. O que se encontra, ao contemplar a estação de forma apaixonada e cheia de gratidão, pode revelar sensações, cores, perfumes e sabores que só se experimenta quem permitia viver a poesia que no inverno se ocultou.

Tudo de bom (Esse sou eu)

Existe um imenso valor que carregamos dentro de nós, é ele que nos torna tão especiais e necessários em diferentes momentos, seja na vida dos outros, como também no cuidado com a natureza.

Podemos ser e fazer além daquilo que parece possível, chegando a realizar grandes feitos, mas muito disso só será liberado conforme a gente caminha e busca ser luz e ajudar aquele que precisa, dessa forma se desvela uma essência maior do que se podia supor e alcançar tempos atrás – quando se estava parado.

Ressignificando a ciência da fé

Um caminho desenhado pelo vento, invisível aos olhos e que a mente desconhece o trajeto e destino é o que move montanhas, paralisa tempestades, transforma as águas em passarela e impulsiona as pessoas a tomar as atitudes mais radicais e até mesmo insanas.

Pra falar de fé é preciso ressignificar conceitos, mergulhar profundamente em significados e também em ações, pois ela consiste em algo maior apenas do que a crença, trazendo força pra quem a consegue reter acima de qualquer dúvida.

Página anterior Próxima página