Um lugar pra conhecer a profundidade das coisas

Liberdade!? (A ilusão em que acreditei)

Liberdade!? (A ilusão em que acreditei)

Tempo estimado: 2 minutos

O que é ser livre de verdade? Será que a liberdade consiste em poder fazer tudo aquilo que a gente quer ou que nos dá prazer?

Existe algum limite pra aquilo que nos faz feliz? Aliás, será mesmo que tudo que traz felicidade é realmente bom?

E se a gente estiver errado em nossas escolhas e a busca do prazer só servir pra nos perdermos ainda mais em inúmeras possibilidades que nunca têm fim?

continue lendo »
Ao teu lado (O mergulho mais profundo)

Ao teu lado (O mergulho mais profundo)

Tempo estimado: 2 minutos

Tão bem nos faz o amor, o sentimento causa profunda transformação em nós, mas e quando temos como retorno um amor que faz de tudo por nós, capaz de tomar as mais loucas decisões – despertando as mais diversas reações – tão intenso que faz a gente experimentar coisas sobrenaturais?

Um amor assim precisaria ser anunciado aos quatro ventos que, como resposta, iriam ecoar as palavras pra que todos pudessem saber. É disso que se trata esse poema.

continue lendo »
Sombras (Se elas pudessem falar)

Sombras (Se elas pudessem falar)

Tempo estimado: 2 minutos

Tantas coisas acontecem longe dos olhos das pessoas, muitas apenas no silêncio do pensamento, nas práticas desinteressadas, no tempo a mais de preguiça ou relaxo, quando a gente se encontra só com nós mesmos e as sombras.

Mas e se as sombras ganhassem a habilidade de falar, que teriam a dizer de suas atitudes e conceitos, sobre cada decisão tomada ou mesmo a omissão das escolhas? Seria bom ouvir os segredos ou ter de enfrentar todos os medos?

continue lendo »
Amor definido que se indefiniu em palavras

Amor definido que se indefiniu em palavras

Tempo estimado: 1 minuto

Mesmo com tanto conhecimento adquirido pelo ser humano, facilidade de acesso a inúmeras fontes de informação, a multidão de palavras e conceitos não bastaria pra descrever o amor e todo bem que ele causa.

Já que essa é uma tarefa arduamente trabalhosa de realizar, que tal, então, tentar fazer isso com poucas palavras?

Desafio lançado, é isso que você irá ver aqui, não de forma simplista ou sem perder a essência desse sentimento que transforma vidas. E aí, bora lá?

continue lendo »
Desconhecido ante a mim (Assim ele surgiu)

Desconhecido ante a mim (Assim ele surgiu)

Tempo estimado: 2 minutos

Você realmente se conhece? Se você se colocasse diante do espelho agora, quem será que ele mostraria, alguém que te acompanhou por todos os sonhos ou misteriosa sombra que em nada lembra quem você já foi, pior, aquilo que você jamais desejou ser?

Se os dias apenas passaram sem você se dar conta de que os estava vivendo, pode ser que a imagem refletida ali te seja tão desconhecida, quanto a ideia que você pensou ter de si mesmo.

continue lendo »
Desde que você se foi (Algo aqui parece faltar)

Desde que você se foi (Algo aqui parece faltar)

Tempo estimado: 2 minutos

O amor tem dessas de abrir nossos olhos pra que gente ver tudo de uma maneira diferente, até os ouvidos parecem escutar melhor – os sons ficam interessantes ao ponto de fazer chorar – mas e quando o ser amado vai embora e nos deixa?

O que acontece quando a pessoa que amamos se vai e a gente se pega só? Como as coisas ficam após essa partida?

continue lendo »
Você está (Onde meus olhos mirar)

Você está (Onde meus olhos mirar)

Tempo estimado: 2 minutos

Chega um momento em que de tanto pensar no ser amado, a gente acaba por vê-lo nos mais diversos lugares, como se ele estivesse a espreita, esperando apenas que a gente lhe olhar pra ter mais um motivo pra sorrir.

Assim a gente vai seguindo e, enquanto cresce o sentimento mais presente ele parece se fazer no dia a dia e nos pensamentos, daí quanto mais espaço ele tem em nós, mais difícil é não quer tê-lo além de desejos, mas, bem coladinho na gente.

continue lendo »
Insight a cada passo (Conexões estão a brotar)

Insight a cada passo (Conexões estão a brotar)

Tempo estimado: 2 minutos

Mas o que é que nos motiva a continuar caminhando mesmo quando tudo parece não dar certo ou quando o jeito parece ter se perdido entre tantas outras coisas?

O que nos inspira a continuar caminhando mesmo quando os pés cansam e a vontade não alcança àquilo que tanto se esperou?

O segredo, na verdade, é até simples e não está assim tão longe que você não possa alcançar com o toque da mão, sem precisar, se quer, esticar braço ou dedos.

continue lendo »
Sedução das trevas (Quando o escuro brilhou)

Sedução das trevas (Quando o escuro brilhou)

Tempo estimado: 2 minutos

Quem foi que disse que das trevas não se pode ter luz?

Entre mergulhos e imersões na escuridão de nosso próprio eu podemos ver luzes, estrelas, supernovas, brilhos e muito mais.

Esse é um convite profundo pra você avaliar um pouco de sua condição e se realmente tem valido a pena a forma que você tem conduzido sua vida: entre várias revisões rascunhadas ou a versão definitiva – independente dela ser boa ou não.

continue lendo »
O enigma do espelho (O que ele mostrou)

O enigma do espelho (O que ele mostrou)

Tempo estimado: 3 minutos

Quando você se olha no espelho o que ele realmente te mostra? Sua imagem ali refletida ou apenas sombras, imagens embaçadas e enigmas?

A imagem ali emoldurada reflete quem você é ou não consegue nem arranhar a superfície, congelando na faceta de vidro um pequeno retrato do que só os olhos podem enxergar?

Será que a miragem ali também sente dores e tristezas, alegrias e desejos ou ela reflete o mistério do que ainda estamos pra nos tornar?

continue lendo »
Pra sempre feliz (Ali eu vou estar)

Pra sempre feliz (Ali eu vou estar)

Tempo estimado: 2 minutos

Somos casa, onde várias coisas tentar entrar pra repousar ou se estabelecer, algumas chegam de mansinho, falando suavemente, outras querem invadir, tentando derrubar a porta.

Cabe apenas a nós, decidir o que pode ou não entrar ou permanecer, fazendo morada, pois ao se estabelecer lá dentro, fica mais difícil remover o que não convém. Saiba manter a porta fechada e abrir apenas Ao que te faz bem.

continue lendo »
Mulher, apaixonante poesia de se viver

Mulher, apaixonante poesia de se viver

Tempo estimado: 1 minuto

Mais um ano se passa e com ele o calendário destaca uma data das mais apaixonantes, onde celebramos a beleza, força e singularidade da mulher, que em si mesma é plural, antônimo e verbo – tudo isso misturado e condensado num marcante ser. Aquela que transforma simples ações em algo peculiar, com sua paixão e entrega em todos os propósitos.

São elas que tornam nossos dias mais perfumados e cheio de vida, que arrancam sorrisos mesmo sem a gente querer, inspirando poesias em letras e canções.

continue lendo »
Nada [in]definido, numa inconstante conjunção

Nada [in]definido, numa inconstante conjunção

Tempo estimado: 1 minuto

Você já tentou o nada definir? Se acha que fazer isso não tem nada a ver com nada, então te convido a se deliciar com esse poema que tem como brincadeira significar o insignificável e mostrar um pouco do que o nada, pode ou não ser, porque ele é quem é e também o quanto pode sofrer em sua insignificância de nada ser.

O texto é curto, é rápido e diferente, mas também não tem nada de especial nele – ou será que podia ter? Agora só lendo pra você descobrir!

continue lendo »
Tempo que passou, distante, já não volta mais

Tempo que passou, distante, já não volta mais

Tempo estimado: 2 minutos

Quando pequenos, desejamos crescer logo, afinal, criança não pode tanta coisa e os adultos parecem estar sempre proibindo tudo – sem falar no monte de coisas legais que podem fazer e a gente não.

Mas daí a gente cresce, surge um monte de responsabilidades, compromissos e obrigações e nos pegamos lembrando como era bom ser criança, quando se podia aproveitar de verdade. Só que o tempo não volta ou avança pro ponto que a gente quer – apesar de estar passando cada vez mais rápido, rumo ao que desde o princípio se definiu.

continue lendo »
Cansado, ele foi curtir a liberdade (In memorian)

Cansado, ele foi curtir a liberdade (In memorian)

Tempo estimado: 3 minutos

Por maior que seja a quantidade de palavras, elas parecem perder todo o sentido quando falamos de alguém querido, pior ainda quando tentamos expressar o quão especial ele foi em vida.

Nesses momentos em que falar ou mesmo escrever parece não ser suficiente, a melhor forma de homenagear quem já não está mais fisicamente conosco é lembrar de como a pessoa viveu feliz e de sua forma única de ver e compartilhar a vida.

continue lendo »
Pela janela, a vida acenou pra mim

Pela janela, a vida acenou pra mim

Tempo estimado: 2 minutos

Olhando agora pra janela o que você consegue ver ali? Apenas paisagens, pessoas, animais e coisas, talvez até outras janelas – que podem também estar de olho em você.

Você já parou pra ouvir o que sua janela tem a dizer ou assistir tanto do que ela tem pra mostrar? Se ainda não fez isso, então o desafio está lançado, mas deixa pra depois que terminar de ler esse poema – acredito que ela vai ter muito o que lhe dizer.

continue lendo »
Ser Humano (Complexo, divergente, similar)

Ser Humano (Complexo, divergente, similar)

Tempo estimado: 2 minutos

Do que é feito o ser humano? Em que constitui sua essência e como fazer pra ter um pouco mais de compreensão desse complexo ser ou mesmo conseguir defini-lo?

Será que raça, cor, gênero, língua, crenças, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento – qualquer outra condição ou classificação que seja – podem realmente nos distinguir ou dizer um pouco mais sobre quem somos nós?

continue lendo »
Sombra & Luz (Conflito sem fim)

Sombra & Luz (Conflito sem fim)

Tempo estimado: 3 minutos

Qual a diferença entre a luz e as sombras, onde é que se encontra o limiar entre ambas as coisas? Estaria a resposta pra vida, o universo e tudo mais entre os dois extremos?

Te convido agora pra fazer um mergulho profundo – do céu ao mar, passando pela terra e o mais além – pra gente explorar um pouco das inúmeras possibilidades e vaguear pelos mistérios que permeiam toda essa dimensão.

continue lendo »
A vida da morte (O que ela concedeu)

A vida da morte (O que ela concedeu)

Tempo estimado: 2 minutos

Desde pequeno a gente aprende o que fazer pra conseguir o que quer e pra isso, às vezes, são necessárias técnicas de persuasão bem criativas, assim, enquanto crescemos, continuamos em busca do que nos parece melhor, afinal, temos livre-arbítrio.

Mas e se tudo não passar de ilusão? E se negar nossos desejos e vontades for exatamente a resposta pra viver algo maior que nós mesmos, maior até que a própria vida?

Sendo isso verdade, dá pra entender qual o significado de encontrar a vida na morte.

continue lendo »