Deprecated: Hook custom_css_loaded is deprecated since version jetpack-13.5! Use WordPress Custom CSS instead. O Jetpack não é mais compatível com CSS personalizado. Leia a documentação do WordPress.org para saber como aplicar estilos personalizados ao seu site: https://wordpress.org/documentation/article/styles-overview/#applying-custom-css in /home/u716753141/domains/inversivel.com/public_html/wp-includes/functions.php on line 6078
Articulário: O poder de mover montanhas - .inversivel
Articulário: O poder de mover montanhas
Tim Marshall/ Unsplash

O poder de mover montanhas

“Força física te levará a alcançar seus limites; a fé te fará viver o sobrenatural.”

Mishael Mendes [Hebreus 11.1]

Me dá sua força, Pégaso

Após a morte dos pais num acidente de avião, um adolescente tímido vai morar com os tios num bairro carente e violento. Apesar de inteligente, ele sofre com a inadequação da nova escola que o faz se sentir rejeitado enquanto lida com a própria solidão. Sua saúde não era das melhores e o fato de ser picado por um inseto o preocupa que isso possa piorar as coisas. Só que depois do incidente ele ganha agilidade e força acima do normal, além de capacidade de aderência.

Foi assim que, em 1962, surgiu o Homem Aranha (Spider-Man) que entre as lutas contra bandidos e vilões precisa enfrentar o bullying e os conflitos da adolescência – justamente toda essa humanidade que quase o impede de vir a luz do dia, e o fez ser taxado de “a pior ideia”. Impulsionado pela morte de seu amado tio – baleado pelo bandido que o garoto ignorou – os poderes recebidos pela picada de uma aranha radioativa e sua genialidade, Peter cria um atirador de teias resistente que lhe permite voar pela cidade, e se torna um super-herói. Sua percepção apurada – o “sentido aranha” só surgiu depois, como conta “Marvel Comics – A história secreta” (“Marvel Comics – The Untold Story“, de 2012), de Sean Howe.

Bancando o herói

A cultura pop, presente nos quadrinhos, no cinema e na TV, ensinou que superpoderes podem ajudar a salvar o dia pra humanidade, embora nem sempre pra quem os tem – “Imperfeitos” (“The Imperfects”, de 2022), foca no quão problemático isso pode ser, enquanto a galera com superpoder busca se tornar normal, apesar desse conceito não existir, como foi abordado por aqui. A despeito disso, é difícil alguém não ter brincado de super-herói – nos meus tempos de infância a disputa era pra ver quem seria Seiya, Shun, Hyoga ou até Hades, de “Os Cavaleiros do Zodíaco” (“Saint Seiya”, de 1986), baseado no mangá de mesmo nome publicado em janeiro de 1986. Ainda que exista quem nunca se imaginou herói, até mesmo pra conquistar o crush ou enfrentar algum valentão, ao menos deve ter desejado possuir um superpoder – o de abrir o trânsito, talvez?

Segundo a ficção, superpoderes podem ir de força sobre-humana e ilimitada, a capacidade de voar, velocidade da luz, resistência física, corpo impenetrável, visão através de paredes, audição ampliada e inúmeras outras habilidades imagináveis como podem ser vistas entre os X-Men. E podem surgir por aprimoramento do corpo, mutações genéticas, além de fontes extraterrestres, mágicas e sobrenaturais. Ou ainda com uso do composto V, que permitiu fabricar super-heróis tóxicos – ou supervilões em pele de ovelha – retratados em “The Boys“, de 2019, baseado nos quadrinhos de mesmo nome, de 2006 – embora super problemáticos tenham surgido na HQ Watchmen, de 1986, que gerou “Watchmen – O Filme” (“Watchmen”, de 2009) e uma série, em 2019.

Farinha do mesmo mito

Apesar do Superman ter popularizado o conceito de super-herói e servido de protótipo pros fantasiados que surgiram após sua publicação em 1938. O primeiro herói dos quadrinhos foi Hugo Hércules, que apareceu em 1902 numa tirinha do Chicago Tribune, embora tenha tido curta duração, já o primeiro herói das revistas em quadrinhos foi o Doutor Oculto (Doctor Occult), que deu as caras em 1935.

Tendo surgido dos mitos dos heróis – do latim heroes, vindo do grego hērōes (semideuses) – como o romano Hércules (Héracles, no grego) e o nórdico Beowulf. O primeiro a exercer influência sobre a literatura foi Gilgamesh, que serviu de inspiração pra Homero compor “Ilíada” (“Iliás”, do século VIII a.C.) e “A Odisseia” (“Odýsseia”, do mesmo século), cujos registros mais antigos datam de 2112 a 2004 a.C. Com feitos que ecoaram através das eras, o desejo de aumentar o desempenho vem desde civilizações longínquas; em Roma, antes de uma corrida de bigas os gladiadores bebiam infusões de ervas pra fortalecê-los. O primeiro dispositivo pra aprimorar a performance foi desenvolvido por Nicholas Yagn, em 1890, e consistia num sistema de molas pra armazenar anergia – que nunca se tornou real por ser mirabolante demais, apesar de superinteressante.

Heróis da vida real

Atualmente, são utilizados suplementos, estimulantes e até remédios, esteroides, anabolizantes (bomba), doping e outras substâncias por atletas que buscam melhorar ou acelerar seu desempenho – o Gatorade foi criado com essa intenção – além de conceder força e outros atributos que ajudem a superar os limites humanos. O próprio exército estado-unidense vem utilizando exoesqueletos robóticos pra aprimorar o desempenho e a força de seus soldados, mas também já usou telepatia, na década de 70, e até drogas – embora não tenha sido o único a tentar isso, como mostra “Stranger Things“, de 2016.

Porém, pessoas extremamente fortes e com características sobre-humanas existiram de verdade. E sua origem primitiva se deu com os heróis ou homens valentes, surgidos da união dos filhos de D-s com as filhas dos homens [Gênesis 6.1-2,4], antes da grande inundação que limpou o mundo. Através do treino, dos exercícios de força e resistência, é possível elevar o condicionamento e o desempenho acima da média; como acontece com halterofilistas e powerlifters que possuem força e o poder pra levantar pesos além do fisicamente possível. Como Blaine Sumner que, em 2016, ergueu mais de 400 kg e depois outro peso de 500 kg, até ser superado em 2020, pelo islandês Hafþór Júlíus Björnsson, que quebrou o recorde mundial de levantamento terra mais pesado ao erguer 501 kg.

Virado no Jiraya

Diante de um momento de risco de vida – nosso ou de outra pessoa – podemos experimentar um aumento de força física extrema – o empoderamento concedido pelo medo, conforme abordado nesse artigo e também nesse aqui. O efeito, conhecido como força histérica, pode ser causado pela norepinefrina, que ao ser liberada de terminais nervosos invade o músculo esquelético em segundos. A partir daí, neurotransmissores como adrenalina, cortisol e endorfina são combinados pra gerar um impulso extra, que possibilita extrair o máximo da força – já que costumamos usar apenas uma fração dela.

Vladimir Zatsiorsky, professor de cinesiologia da Penn State, que estudou extensivamente a biomecânica do halterofilismo, afirmou que uma força extraordinária pode ocorrer quando uma pessoa gera um esforço consciente envolvendo seus músculos. Enquanto alguém comum pode evocar 65% de seu poder absoluto numa sessão de treinamento, halterofilistas treinados conseguem exceder 80% – podendo passar até 12% acima desse valor, em competições.

Movendo montanhas

A fé eleva nossa mente acima de todas as coisas, tornando o impossível em algo concreto enquanto move o sobrenatural. Ela acalma tempestades [Mateus 8.26], cria caminho sobre as águas [Mateus 14.25-29] e planta árvores no mar [Lucas 17.6]. Isso sem exigir muito esforço ou superpoder – um pouco dela é suficiente pra realizar coisas incríveis, como mover os montes [Mateus 17.20].

Com ela recebemos energia e perseverança pra seguir adiante, tendo certeza de nossos passos estarem seguros, pois, endireita caminhos e “ilumina toda a escuridão mesmo que não haja explicação”, como destaca Melk Villar, em “Amanhecer”. Fornecendo confiança necessária pra nossas habilidades, nos leva a persistir, sabendo que a força que sustenta o universo se move em nós [1 João 4.13]. Mesmo sem qualquer estimulante, como drogas e enteógenos, faz a consciência expandir ao mostrar a profundidade das coisas, de cada pessoa, lugar e circunstância, as quais têm composição de essência, não do que aparentam aos olhos naturais [Hebreus 11.3].

Pelos poderes da fé

Sendo certeza, a fé mostra a realidade esperada, dando convicção do que ainda não se materializou [Hebreus 11.1]. Segundo Mahatma Gandhi, “a fé não é algo pra entender, é um estado pra se transformar”, assim, mesmo sem compreender seus mistérios a gente ignora a racionalização – que a impede de agir em nosso corpo – e deixa que ela nos prepare pra alcançar o impossível; cuja habitação se dá na incerteza dos atos insanos e ousados. Você pode ver uma descrição dos poderes que ela proporciona no poema “Ressignificando a ciência da fé“.

A palavra fé vem do latim fides, “confiança, crença, promessa, juramento”, tendo origem no grego pistia, ligada a raiz indo-europeia *bheidh-, “aconselhar, confiar, persuadir”; e traz a ideia de uma atitude de fidelidade ao confiar que somos ouvidos e que aquele que cuida de nós [Hebreus 11.6] pode realizar além de nossos planos. Porém, fé não consiste apenas em crença passiva, mas, na prática da justiça – em ajudar a quem precisa. A crença por si só cheira a morte, é vazia e destituída de sentido, apenas a prática do bem é que a aperfeiçoa e pode nos justificar, porque como o corpo não vive sem alma, a fé inexiste sem obras [Tiago 2.14-26]. Como esclareceu Dwight Lyman Moody, “a fé torna tudo possível… o amor torna tudo mais fácil”, assim, o exercício de misericórdia se faz necessário pro nosso próprio bem – como vimos por aqui.

Alimente sua mente

Billy Graham disse que “o maior legado que você pode deixar é o seu caráter e a sua fé”, enquanto o caráter se constrói com integridade, a fé não é algo que vem de nós [Efésios 2.8-9]. Ela é adquirida ouvindo a respeito da Vida [Romanos 10.17], dessa forma podemos andar não pelo que percebem nossos olhos [2 Coríntios 5.7], crendo na verdade do que já é, ainda que nada aconteça de imediato. Ela serve de proteção [Efésios 6.16] pra desviar o que tenta atingir nossa mente. Segundo Rinaldo Seixas, em “Fé inabalável“, de 2019, ela “se torna o fundamento pelo qual reconstruiremos o que foi destruído e quando nos faltam respostas, é o único meio de conexão que podemos construir o futuro”.

Um grão de mostarda, possui de 2 a 3 mm de diâmetros, e pode se transformar numa planta de até 1,5 metro de altura usada pra produzir alimento, tempero e remédio. E esse tamanho ínfimo é a medida necessária pra alcançarmos infinitamente mais do que é possível pedir ou imaginar [Efésios 3.20] – e olha que podemos ser bem criativos em nossos sonhos mais ousados, como mostra “Áptero – Quando a liberdade as asas abriu“. Do mesmo modo que o grão de mostarda se torna uma planta grande, devemos deixar nossa fé crescer, sustentando essa semente ao meditar na palavra de Deus, louvá-lo e ao falar consigo através da oração. Assim poderemos realizar coisas ainda mais grandiosas que as que já foram feitas nessa dimensão [João 14.12].

Artigo publicado originalmente no LinkedIn, também está disponível no Medium.


Fortalece a firma

Fortalece a firma

Ao adquirir os livros indicados você ajuda na produção de mais artigos assim pra te informar enquanto distrai. Obtenha a versão física de “Marvel Comics – A história secreta” ou sua alternativa em inglês, os livros de Homero “Ilíada” e “A Odisseia” ou ainda “Fé inabalável“. Pra conhecer mais sobre o mundo dos quadrinhos, separei mais dois livros importantes e cheios de curiosidades sobre os super-heróis e as eras das HQs: “A identidade secreta dos super-heróis” e sua versão física ou o livro no idioma original “A Brief History of Superheroes” e impresso, por fim, o completíssimo “História dos Quadrinhos – EUA“.

Se você gosta muito de ler, o melhor é adquirir uma assinatura do Kindle Unlimited que possui milhares de livros. Agora se prefere lançamentos de filmes e séries, descontos nas compras com frete grátis, além de milhares de músicas e benefícios em jogos, opte por uma assinatura do Amazon Prime.

Aproveita pra reagir a esse artigo e deixar seu comentário sobre o quanto você curtiu. Ah! Compartilha também com aquele parça que você sabe que vai curtir a postagem. Antes de ir, salve esse artigo nos seus favoritos, assim você pode voltar depois e refletir um pouco mais.

Ósculos e amplexos,

Mishael Mendes Assinatura
Receba histórias fresquinhas
Inscreva-se pra receber novas postagens assim que saírem do forno