Fragmentação

Não sou mais alguém feliz
Meu sorriso já não quer dizer alegria
Aliás, já não significa nada mais!

Não consigo confiar em ninguém,
As pessoas nunca são o que fingem ser.
Você pode pensar me conhecer,
Mas nem o mínimo o podes saber,
Na verdade vês apenas o que quero!

Meus sonhos, desejos e vontades são só ilusão,
Meu sorriso, palavras e apoio não passam
De algo a te induzir ao erro.
Se você pensa que um dia me conheceu
É porque realmente consegui te enganar.

Não ache que me conhece
Por termos compartilhado alguns momentos bons
Não creia saber algo sobre mim
Por o ter dito os lábios meus.

Não presuma nada sobre mim
Por me ter visto prostrado e sem brilho
Não pense arrogantemente que de mim algo conheces
Se não sabes tu o quão real e intensas são as trevas cá dentro.

fragmentação, inverivel, poesia, poema

Em mim não há amor, meu coração não o pode suportar
Pois a ferida que ele deixou jamais irá curar.
Confiança é algo que não me dou o luxo de tempo perder
Pois o laço que se arma te faz presa sua.

Não confiar nos lábios que te juram amor
É a certeza que me roubou a luz,
Pois o que habita os corações destila-se em palavras
Que vazias, sem sopro, trazem o cheiro de inanição…

Enquanto as pessoas se acham e se encontram
Estou cada vez mais perdido,
Sou apenas mais um sem rumo na multidão.
Já não preciso de ajuda, pois perdido me encontrei.

inversivel, fragmentação, misael mendes, poesia, poema

Tendo tudo o que me resta é nada além da solidão,
Sei o que quero, mas não o caminho a ser percorrido.
Morte já não é medo ou pavor, tão pouco da matéria o estado final,
Morte, antes pesadelo, não passa de um estado de espírito.

As cores já não transmitem sentimentos,
Não expressam nada, servem apenas de mimetismo,
Pra te fazer confuso, seduzindo-o ao que deves acreditar.

Já não vou esconder a tristeza que sou,
Já não mais ocultarei o descontentamento meu.
Que diferença fará se a tempos que as pessoas me vêem afundar
E fechando os olhos viram a cabeça seguindo de largo seus rumos?

fragmentação, inversivel, misael mendes, poesia, poema

Por que ocultar o erro que sou?
Serei o que hoje já quero e não o que um dia fui.
É isso que esperavam, um dia não quis,
Mas agora já o quero mais que nunca.

Quanta dor a gente oculta,
Quanto sofrimento suporta pra poupar a dor alheia,
Mas todos esses sacrifícios
Feitos mais pelo outro que por nós mesmos
Acabam por resultar em nada.

fragmentação, inversivel, misael mendes, poesia, poema

Com a dor descobri que a solidão é fiel companheira
Que no sofrimento esperar a mesma medida de misericórdia
É se firmar além do que suporta a fé.

Espere o julgamento na mesma medida em que julgares tu,
Só não espere de voltada todo amor dispensado.
Quando muito terás poucas gotas no teu deserto de solidão,
Mas jamais se espargirá uma fonte a lhe saciar.

Os fragmentos que hoje de mim restou,
Peças perdidas do que sempre fui,
Juntam-se aos poucos, unidos pela dor.
Antes do fim me desconstruí…

fragmentação, inversivel, misael mendes, poesia, poema

Hoje fragmentado, os cacos me compõem
Perdida algumas partes já nem as sei onde encontrar,
Mas sinto-me completo ainda que despedaçado.

Não há como seguir sem deixar algo para trás
Toda escolha implica em percas
Alguma mais outras menos, mas sempre perde-se algo.

Ainda não me sinto livre, isso estou a buscar,
Mas ao das grades me aproximar posso sonhar.
Bater contra as barras machucou,
Mas a sensação de correr para a liberdade aliviou.

fragmentação, inversivel, misael mendes, poesia, poema

O que hoje em mim se exterioriza é sentimento,
Também dor, paixão por viver, ainda que sofregamente,
Já não me preocupa o quão chocante seja o exterior meu

Desejo apenas que vejam que apesar de todo mal,
Toda dor e perseguição a infligidas
Não foram capazes de subjugarem-me
Fazendo-me ocultar dentro em mim.

Estou abrindo as asas e preparando o voo
Um dia sei que valerá a pena ter ido tão longe
Valerá a pena um dia ter subido tão alto
Sei que valerá todo frio da solidão
Valerá ter suportado tanta ingratidão
Sim, valerá todas privações, todo desprezo.

fragmentação, inversivel, misael mendes, poesia, poema

Também toda queda sem uma mão a se estender
Virá a recompensa de se escalar o mais alto monte
Pra, enfim, asas abertas me lançar ao vento da liberdade
Sem ceras pra esconder os pedaços colados
Me desfarei no caos da liberdade.

E ainda que não consiga a sonhada liberdade
Morrerei tentando, mas não terei vivido em vão!


#Free Talk

Quem nunca sentiu-se impróprio em si mesmo, abandonado e sem qualquer perspectiva? Às vezes esses sentimentos podem ser profundos e duradouros, mas ainda assim terão um fim.
Enquanto os meus não se findam, compartilho o que tenho sentido, pois a melhor forma de aliviar um pouco tanta dor só mesmo cravando-as numa postagem. Se de alguma forma eu puder te tocar ou, mesmo, ajudar ficarei muito feliz, pois a ideia é me despir de tudo que sinto – crio que só assim alcancemos a liberdade, expondo-nos ao invés de nos enterrar profundamente em nossas dores e traumas.

Agradeço, especialmente ao Felipe Baptista, modelo das fotos, que é bailarino e professor de dança – uma pessoa muito fofa que o pouco contato me permitiu perceber – que gentilmente autorizou o uso de suas fotos e que também inspirou-me enquanto as palavras me escorriam do coração e mente aos dedos à tela.

Postagens relacionadas


Also published on Medium.

Comentários

comentários