folder Arquivado em Poesificando
Nem sempre... é o que se pode esperar
Coisas e escolhas parecem smpre contrastar entre duas opções, como se não houvesse nada além dos extremos.
Mishael Mendes access_time 3 min. de leitura

Nem sempre as trevas surgem no escuro
Nem sempre a tristeza se dá pela perca
Nem sempre a dor é pelo que machuca
Nem sempre o certo é o que se pratica

Nem sempre conhecimento é sabedoria
Nem sempre liberdade é fazer de tudo
Nem sempre solidão significa abandono
Nem sempre presença revela amizade

Nem sempre palavras trazem libertação
Nem sempre beleza é o que conquista
Nem sempre estar junto é se importar
Nem sempre exagero significa excesso

Nem sempre atenção é dar importância
Nem sempre o sorriso reflete felicidade
Nem sempre olhares indicam interesse
Nem sempre o falar precisa acontecer

Nem sempre silêncio é anuência
Nem sempre desprezo é ignorar
Nem sempre ações têm coerência
Nem sempre a dor resulta em sofrer

Nem sempre a chuva é que cai lá fora
Nem sempre o salto é o que liberta
Nem sempre existir também é viver
Nem sempre o falar possui sentido

Nem sempre se tem o que se quer
Nem sempre o sonho deve ser vivido
Nem sempre a vontade deve acontecer
Nem sempre escuridão significa terror

Nem sempre o visto é a realidade
Nem sempre a falta exprime carência
Nem sempre o vazio significa ausência
Nem sempre poder consiste em riqueza

Nem sempre a perca exprime prejuízo
Nem sempre reter significa ter posse
Nem sempre a sorte é aleatoriedade
Nem sempre o pranto advém do pesar

Nem sempre o sentido possui lógica
Nem sempre a razão é que está certa
Nem sempre questionar é duvidar
Nem sempre saber traz boa escolha

Nem sempre o sono nos revigora
Nem sempre fazer é produzir algo
Nem sempre o prefeito é o melhor
Nem sempre o querer é realizar

Nem sempre inspiração traz beleza
Nem sempre o frio é falta de calor
Nem sempre valor traduz raridade
Nem sempre a aparência é enganosa

Nem sempre caminhar significa avançar
Nem sempre intenções são o bastante
Nem sempre a morte consiste no fim
Nem sempre o ponto é o do final

Nem sempre perspectiva é uma fração
Nem sempre calmaria é algo maçante
Nem sempre a inércia é falta de ação
Nem sempre a noite é só escuridão

Nem sempre o sentido se encontra
Nem sempre a certeza se afirma
Nem sempre a demora é atraso
Nem sempre inocência é estupidez

Nem sempre penar resulta em dor
Nm sempre a verdade é agradável
Nem sempre partes se completam
Nem sempre se obtém recompensa

Nem sempre visão é concretude
Nem sempre loucura é insensatez
Nem sempre o voo leva pra cima
Nem sempre a certeza é relativa


#freetalk

Num mundo polarizado entre ou isto ou aquilo, as chances de se frustrar quando se obtém apenas parte do resultado – isso se chegar a essa porcentagem, às vezes o valor pode ser próxima de zero – são realmente grandes.

O problema do dualismo, da cultura greco-romana, é nos condicionar a esperar os extremos, como se não houvesse toda uma complexidade entre os polos. E escuridão é ausência de luz e, por sua vez é composta de todos espectros de cor, e a dinâmica entre o claro e o escuro possibilita quase 2 milhões de cores no sistema RGB – muito mais do que nossos olhos podem perceber.

É preciso aceitar, como disse William Shakespeare, que “há mais coisas entre o céu e a terra, do que sonha a nossa vã filosofia”, afinal, nosso conhecimento é ínfimo diante da imensidão da vida e suas possibilidades. Não existe um padrão universal certificando como tudo deve ser simétrico em quantidade, conteúdo, ramificações e efeitos, saber lidar com isso é o que nos torna maleáveis, possibilitando felicidade e aprendizado ao invés de frustração e dor.

Ósculos e amplexos,

mishael mendes sign, assinatura

conhecimento escuridão importância liberdade libertar poema poesia poesiainversivel poesificando sabedoria soundtrack trevas e luz