folder Arquivado em Articulário
Derretendo de tanta beleza
A atração da beleza está tão enraizada em nosso subconsciente que alguns cientistas a consideram biológica
Por Mishael Mendes access_time 15 min. de leitura

“A beleza que ilumina vem de dentro, não de um ofuscante exterior.”

Mishael Mendes [Mateus 6.22]

Por todos os lados

De todos os animais o ser humano é o mais afetado pelas influências da beleza. Seu fascínio causa admiração levando a um estado de contemplação onde experimentamos os efeitos de sua harmonia; o problema é que costumamos confundir beleza com aparência e quando alguém atraente surge acaba agitando as pessoas. Apesar de ambas as palavras parecerem sinônimo, há uma grande diferença entre as duas, enquanto aparência desperta desejos através da estética e do sex appeal, o belo atrai pro que só tocamos com a contemplação.

Esse conceito de beleza ter a ver com aparência se propagou tanto que até a arte – que devia celebrar a essência – se contaminou com o efêmero. Nem mesmo  a poesia de Vinícius de Moraes escapou, como vemos em “Receita de Mulher”, cujo machismo estrutural oculta com palavras encantadoras a exigência de um padrão de beleza estética e comportamental. Mas o máximo que o exterior faz é chamar a atenção através de ostentação, falta de pudor e modos ou pelo uso de melancia no pescoço.

A justiça não é cega

Fascinadas com esse fenômeno, as psicólogas sociais Lisa Slattery Walker e Tonya Frevert, da Universidade da Carolina do Norte em Charlotte, nos EUA, revisaram diversos estudos sobre o tema realizados nas últimas décadas e lançaram a pesquisa “Atratividade Física e Status Social“, onde chegam a várias conclusões sobre a influência da atração física em áreas como empregos, crime, avaliação de desempenho, poder e percepções de saúde – e as vantagens são inúmeras.

Começando pelas escolas e universidades, alunos bonitos são considerados pelos professores como mais competentes e inteligentes – algo que lhes dá mais confiança e acaba por se refletir nas notas e no resto de suas vidas – como destaca Frevert, “ocorre um efeito cumulativo: ao ser bem tratado, você se torna autoconfiante com pensamentos mais positivos e mais oportunidades pra demonstrar sua competência”. Em relação ao trabalho, funcionários mais atraentes tendem a conseguir uma ascensão mais rápida e ganham de 10% a 15% a mais que os colegas fisicamente desinteressantes.

Até mesmo os tribunais não estão livres de sua influência e a balança da Justiça acaba pendendo pros atraentes. Conforme um estudo realizado pela Universidade de Bath, na Grã-Bretanha, réus bonitos têm maiores chances de obter penas mais leves e até serem absolvidos por júris populares porque são considerados menos culpados que os feios. Além disso, quando um indivíduo atraente entra com um processo, além da probabilidade maior de ganhar a causa recebe uma indenização melhor.

Atração fatal

Algo comum nas noites de verão é o número de mariposas que parece se multiplicar do nada, bastam as luzes acenderem pelas ruas ou casas que elas surgem. Esse magnetismo exercido pelas lâmpadas acontece devido à orientação transversal, um sistema que consiste em utilizar o brilho da lua pras borboletas noturnas se localizarem no ambiente e manter a trajetória de voo conforme a rotação da terra. Como elas não conseguem distinguir o brilho da lua da luz artificial, luzes fortes acabam por atraí-las e as deixam sem rumo, presas num looping infinito de giros.

Embora não tenham escolha, o fascínio de se deixar guiar pela aparência pode ser mortal pras mariposas, como lembra Leonardo da Vinci na fábula “A Mariposa e a Vela“. Nela uma mariposa livre acaba atraída pela chama da vela, resolve atravessar sua luz e isso acaba lhe custando a vida. Já na realidade, a mania de perseguir a luz as deixa expostas a predadores que as devoram com facilidade – isso se não acabarem torradas – prejudicando sua evolução.

Mariposas em busca de luz

Da mesma forma o viés que “tudo o que é bonito é bom” torna a aparência atrativa, somos levados pelo inconsciente a valorizar a estética, feito mariposas em busca de luz. Algo que pode ser perigoso, levando a nos envolver com pessoas vazias que não sabem demonstrar sentimentos, abusivas e até mesmo entrar num relacionamento tóxico; ou nos deixar manipular por amigos. No meu tempo de colegial, havia em nossa sala um garoto considerado bonito e inteligente, que era maior boróca, na real ele era esperto – não inteligente. Quando não entendia algo fazia alguém perguntar por ele ou fingia esclarecer a dúvida de outro colega, assim, além de sustentar sua fama de inteligente ainda parecia alguém preocupado em ajudar o próximo.

A crença de que “tudo que é belo é bom” é bastante utilizada por psicopatas e conquistadores pra tirar proveito e vantagem das pessoas, embora o segundo grupo só precise de lábia, a aparência facilita o processo. Diferentemente das belas Amorphophallus Titanum e Rafflesia Arnoldii identificadas como flores cadáver por exalarem um cheiro podre, eles não causam danos nenhum, já pessoas que abusam da aparência são sepulcros caiados, que a podridão interna pode até não ser perceptível [Mateus 23.27-28], mas é mortal.

Problema de saúde pública

A atração da beleza está tão enraizada em nosso subconsciente que alguns cientistas a consideram biológica, já que não precisa ser ensinada, surgindo nas primeiras interações de um bebê com o mundo. Sabendo disso, a indústria da moda e estética se aproveita pra estimular o consumo de roupas, cosméticos, alimentos, processos cirúrgicos, equipamentos e fórmulas pra aumentar seu faturamento. Algo que a propagando começou a reforçar a partir da década de 1970, como sinônimo de saúde e sucesso, onde revistas serviam de mapa, como destaca José Luiz Aidar Prado, em “Convocações biopolíticas dos dispositivos comunicacionais“, de 2013. Onde apresentam uma beleza irreal com modelos que não respeitam a diversidade de biotipos, com silhuetas magras demais ou excesso de músculos, cujas imperfeições são retocadas com maquiagem e Photoshop. Tornando o processo já difícil de ser alcançado ou mantido por muito tempo pela maioria em algo impossível de conseguir sem prejudicar sua saúde física e mental.

Mesmo assim as pessoas estão mais preocupadas com a imagem de seu corpo, graças as redes sociais, onde influencers replicam padrões doentios e inalcançáveis que causam ansiedade e estresse. Perigosos a ponto de levar a depressão ou fazer as pessoas arriscarem a saúde e a própria vida buscando atingi-los, algo que atinge mesmo os que já possuem boa aparência. Como destaca Frevert “se você ficar obcecado com a beleza, isso pode alterar suas experiências e relações”. Isso foi denunciado por Naomi Wolf, em “O mito da beleza” (“The Beauty Mith – How Images of Beauty Are Used Against Woman“, de 2002), e Augusto Curry, em “A ditadura da beleza e a revolução das mulheres“, de 2005; onde criticam como o culto a estética e o superficial destroem a saúde das mulheres.

A maldição da aparência

Apesar de todos os benefícios que a boa aparência pode proporcionar ela também possui suas próprias maldições. Por ser considerado sinal de saúde, doenças de pessoas bonitas não costumam ser levadas a sério por médicos, algo essencial na identificação de algo grave. Enquanto homens bonitos são considerados bons líderes, o mesmo não acontece com as mulheres, cujas chances de conquistar cargos elevados são reduzidas. Também pode despertar sentimentos negativos, se numa entrevista realizado por alguém do mesmo sexo o candidato for considerado mais bonito que o recrutador a probabilidade de contratação diminui.

Não sendo isso suficiente ainda pode provocar solidão. É que mesmo a aparência nos atraindo, ela pode ser intimidadora, segundo Frevert: “o fato de uma pessoa ser atraente pode transmitir uma noção que ela tem mais poder sobre o espaço à sua volta, fazendo os outros sentirem não poder se aproximar”; assim, ao ver uma mulher bonita na rua as pessoas tendem a manter distância. Já em sites e aplicativos de namoro os que aparentam ser lindos conseguem menos pretendentes que aqueles com imperfeições, seja pelo fator intimidante, também porque a pessoa pode não ter moral ou não ser levada a sério já que pode catar qualquer um.

Beleza é essência

Enquanto o bonito traz ideia de equilíbrio, proporção, simetria e estética; beleza está mais ligada a harmonia, satisfação, perfeição, além de conter o bom, conceito esse existente desde que a palavra surgiu. Beleza é a atribuição do belo, que vem do latim “bellus”, significando “lindo, bonito, encantador”; e descende do indo-europeu dw-eye, que gerou os termos bônus, “bom”, e bene, “bem”. Ela desperta admiração, grandeza, nobreza, prazer. No livro “História da Beleza” (“Bellezza – Storia di un’idea dell’Occidente”, de 2002), o escritor italiano Umberto Eco aborda a beleza através das épocas que a traduziram como graça, maravilhamento, o sublime que encanta e a sua ligação com o bom.

Beleza não se trata de algo que precisa ser dito, é evocada, percebida e experenciada. Ela surge da harmonia que causa prazer aos olhos e ao coração, sendo a essência nem sempre é encontrada na estética atraente, por isso, mesmo alguém bonito pode não ser uma companhia agradável enquanto muitos que não são o típico padrãozinho possuem uma presença magnética. Como Lizzie Velasquez, que recebeu o título de “a mulher mais feia do mundo” devido a uma condição genética rara que a impede de engordar e que deformou seu corpo, mas possuindo uma beleza que vem ensinando o poder transformador da compaixão através de palestras e de seus livros, como em “Demasiado frágil” (“Dare to Be Kind“, de 2017).

Beleza nos olhos

Somos doutrinados pela mídia a dar importância ao que enxergam nossos olhos físicos, ao invés do coração porque o primeiro percebe as coisas numa velocidade maior, mas essa visão não consegue captar a essência; como disse Antoine de Saint-Exupéry, em “O Pequeno Príncipe” (“Le Petit Prince“, de 1943): “o essencial é invisível aos olhos”. Por mais poética que a frase “a beleza está nos olhos de quem vê” possa parecer, ela não está correta. Beleza não é algo que se adquire com o tempo, maquiagem, enfeites e roupas elegantes, nem com processos cirúrgicos ou malhação, ela se encontra em cada pessoa [1 Samuel 16.7], basta querer enxergar tanto no outro quanto em nós mesmos. Segundo Platão, a beleza está ligada a essência universal e independe de quem a observa, ela surge na criação; a aparência do que existe na imperfeição do “mundo sensível” é apenas cópia e sombra [Colossenses 2.17] do que existe na perfeição do “mundo inteligível”.

Por melhor que sejam editores de fotos ou makes eles só conseguem destacar a estética, afinal, ainda não existe outra forma de capturar nossa beleza a não ser com o coração. Aceitar essa verdade e viver por ela faz a gente encontrar uma beleza que não se desfaz no tempo [1 Pedro 3.3-4] e passamos a emitir um brilho e segurança que atrai as pessoas. Caráter, simpatia, empatia, compreensão, comprometimento e companheirismo são características muito mais encantadoras e duradouras que barriga chapada ou um bronze. Afinal, beleza não consiste na quantidade de olhares que alguém atrai, mas pelo que nos faz sentir ao seu lado.

Metamorfose ambulante

A supervalorização da aparência nos torna intolerantes e cria distância trazendo danos pra ambos os lados. Por mais belo que alguém seja, aquilo que encanta e desperta a vontade de permanecer ao seu lado é a luz em seu interior – a isso chamamos beleza, algo que Lizzie tem de sobra. Também não é algo que dê pra confiar porque essa metamorfose não fica estacionada no tempo. Se hoje ter uns quilos a mais não é esteticamente desejável, na Grécia, entre 500 a 300 a.C., assim como na renascença italiana, entre 1400 a 1700, o ideal de saúde, que tornava alguém atraente era um corpo de proporções fartas.

Ao longo do tempo a beleza sofreu mutações que fizeram o valor que um dia foi atribuído a alma e sua sensibilidade ser trocado pela supervalorização e o culto ao corpo e a personalidade, onde a elegância foi sendo substituída pela banalização dos processos cirúrgicos, ligada aos padrões estéticos doentios e aos cuidados excessivos com o corpo. Enquanto a perseguição pra eliminar a feiura e a luta pra driblar o envelhecimento se tornou objetivo de quem quer viver mais e com qualidade, pois não fazer isso é o mesmo que ir em direção a solidão e o fracasso. Inclusive, a aparência já foi até usada como instrumento de poder e moeda de troca em diversas sociedades, como destaca Denise Bernuzzi de Sant’Anna em “História da Beleza no Brasil“, de 2014.

O belo é difícil

Em “A República” (“Politeía”, de 370 a.C.), Platão diz que “O belo é difícil”, e faz isso utilizando um jogo de palavras já que no grego as duas são parecidas, belo é “kalós” e difícil “kalepós” – algo que pode ajudar a expressar o mistério da beleza em suas inúmeras formas. Por se encontrar no imaterial, mesmo a percebendo, não há formas de tocar a beleza, apenas a experimentar por processos cognitivos, mentais ou espirituais percebidos no que nos afeta além da aparência.

Pra Sócrates, o belo logo não estava associada à aparência, ele é útil e surge de um ideal que já existe em nós, assim, artistas os tentam reproduzir através do que conhecem chegar mais perto desse mais além. Já pra Aristóteles, a beleza surge apenas de algo que consegue promover a catarse em seus admiradores, ou seja, purificar nossas almas e mente das idealizações da aparência e das sombras desse mundo repleto de imperfeições.

Artigo publicado originalmente no LinkedIn, também está disponível no Medium.


Fortalece a firma

Fortalece a firma

Ao adquirir os livros indicados você ajuda na produção de mais artigos como esse que informam enquanto te distrai. Você pode obter a versão física de “Fábulas & Alegorias“, de Da Vinci, assim como “O mito da beleza” ou sua versão em inglês. Pode também aumentar seu conhecimento com a versão em inglês de “História da Beleza” – que serviu de base pro livro em português, já que no idioma original foi lançada apenas em CD-ROM – ou o físico de “Dare to Be Kind“, a “História da Beleza no Brasil” e “A República“.

Se você gosta muito de ler, o melhor é adquirir uma assinatura do Kindle Unlimited que possui milhares de livros. Agora se prefere lançamentos de filmes e séries, descontos nas compras com frete grátis, além de milhares de músicas e benefícios em jogos opte por uma assinatura do Amazon Prime.

Aproveita pra reagir a esse artigo e deixar seu comentário sobre o quanto você curtiu. Ah! Compartilha também com aquele parça que você sabe que vai curtir a postagem. Antes de ir, salve esse artigo nos seus favoritos, assim você pode voltar depois e refletir um pouco mais.

Ósculos e amplexos,

Mishael Mendes Assinatura

aparência perigosa aparências enganam artigo artigo de opinião beautiful beauty beleza belo bible bíblia conhecimento design drops inversíveis estética filosofia inversível frases inspiradoras inspirational quotes inversível knowledge machismo estrutural o pequeno príncipe pensamentos reflexão reflita saint exupery soundtrack the little prince vinicius de moraes