Deprecated: Hook custom_css_loaded is deprecated since version jetpack-13.5! Use WordPress Custom CSS instead. O Jetpack não é mais compatível com CSS personalizado. Leia a documentação do WordPress.org para saber como aplicar estilos personalizados ao seu site: https://wordpress.org/documentation/article/styles-overview/#applying-custom-css in /home/u716753141/domains/inversivel.com/public_html/wp-includes/functions.php on line 6078

Deprecated: A função is_staging_site está obsoleta desde a versão 3.3.0! Em vez disso, use in_safe_mode. in /home/u716753141/domains/inversivel.com/public_html/wp-includes/functions.php on line 6078
Poesificando Distante, o tempo passado não volta mais - .inversivel
Deprecated: A função is_staging_site está obsoleta desde a versão 3.3.0! Em vez disso, use in_safe_mode. in /home/u716753141/domains/inversivel.com/public_html/wp-includes/functions.php on line 6078
Poesificando: Distante, o tempo passado não volta mais
Chris Liu-Beers/ Unsplash

Distante, o tempo passado não volta mais

Tempo, escorrendo-me nas mãos,
Entre os dedos a escapar,
Sem que eu possa detê-lo.

Vai-se indo, quando vejo
Tão distante já se faz,
Obrigando-me o outono enfrentar.

Queria mesmo é viver numa constante primavera,
Envolvido pelo vento e as chuvas de verão,
Mas temo que o inverno breve me venha abraçar.

A força do tempo move o mundo,
Toda a vida e constelações,
Guiando a luz ao seu destino final.

Raiando, por entre a escuridão, ela segue
Através da janela aberta, até iluminar toda casa,
Despertando lembranças que a tanto distanciaram.

A força a mover as ondas no mar,
Faz girar o mundo em buscando de ti,
Sem, contudo, jamais poder te tocar.

Tempo que estabelece divisões, ocasiões,
Momentos, instantes, metades e inteiros,
Colocando visíveis sinais no céu.

Da noite ao dia tua aurora refaz.
Em tua expansão há estações,
Movimentos do brilhante astro dourado.

Tempo saudoso
Gabriel Meinert/ Unsplash

Tempo, que a pouco embalava canções,
Com pulsante vigor fazia-me balançar
Pela árvore da vida plantada no jardim.

És tu o responsável por tantas erosões,
Também te culpo pelos cinzentos pés
A correrem pelo imenso descampado.

Infância saudosa e feliz,
Perdida, já não volta mais.
Por maior o tamanho do querer

Sei que não me hás de voltar,
Também parado não te vais deter,
Resta-me, então, vivenciar instantes.

Tempo, que raízes estende por todos os versos,
Alegra-me saber que teu outono também virá,
Secando tuas ervas, murchas as flores cairão.

A eternidade dura apenas um momento,
Tempo suficiente pra fazer um sorriso
Tornar-se em inesquecível lembrança.


#papolivre

Ah, o tempo! Misterioso éter contabilizado em gotas de segundos, horas, dias, enfim, num cálculo que, apesar de registrar sua passagem, não pode deter ou domá-lo, assim, sem quem o possa controlar, ele segue em frente, apressado pro que já se determinou desde o princípio.

Em sua continua passagem, ainda mais apressada – como se os dias estivessem sendo abreviados, Einstein nunca esteve tão certo sobre a relatividade do tempo – ele faz arder em nós, cada vez mais, o desejo de adiantar o que ainda não se viu e reviver o que já passou e perdido foi, até ser reconquistado.

Ósculos e amplexos,

Mishael Mendes Assinatura
Receba histórias fresquinhas
Inscreva-se pra receber novas postagens assim que saírem do forno