poesificando

O que veem seus olhos através da janela?

Pelas janelas é possível ver o dia desenhar cores no céu, a chuva lavar a terra seca ou o vento soprar dispersas folhas no ar.

Janelas são uma das coisas mais presentes no nosso dia-a-dia, através delas é possível ver o dia desenhar cores e texturas no céu, a chuva lavar a terra seca ou o vento soprando folhas, dispersas pelo ar.

Mas talvez haja ainda mais belezas pra ver do que o tempo pode desenhar no céu, com suas luzes e calor. Num espaço onde liberdade e segurança se encontram, onde as janelas possam mostrar mais profundidade e verdade do que em qualquer outro lugar e que estejam diante de nossos olhos.

Distante, o tempo passado não volta mais

Quando pequenos, desejamos crescer logo, afinal, criança não pode tanta coisa e os adultos parecem estar sempre proibindo tudo.

Quando pequenos, desejamos crescer logo, afinal, criança não pode tanta coisa e os adultos parecem estar sempre proibindo tudo – sem falar no monte de coisas legais que podem fazer e a gente não.

Mas daí a gente cresce, surge um monte de responsabilidades, compromissos e obrigações e nos pegamos lembrando como era bom ser criança, quando se podia aproveitar de verdade. Só que o tempo não volta ou avança pro ponto que a gente quer – apesar de estar passando cada vez mais rápido, rumo ao que desde o princípio se definiu.

Cansado, ele foi curtir a liberdade (in memoriam)

Por maior que seja a quantidade de palavras, elas parecem perder todo o sentido quando falamos de alguém querido.

Por maior que seja a quantidade de palavras, elas parecem perder todo o sentido quando falamos de alguém querido, pior ainda quando tentamos expressar o quão especial ele foi em vida.

Nesses momentos em que falar ou mesmo escrever parece não ser suficiente, a melhor forma de homenagear quem já não está mais fisicamente conosco é lembrar de como a pessoa viveu feliz e de sua forma única de ver e compartilhar a vida.

Divergente e similar o ser humano é complexo

Do que é feito o ser humano, em que se constitui sua essência e como compreender um pouco mais desse complexo ser ou, ainda, como o definir?

Do que é feito o ser humano? Em que constitui sua essência e como fazer pra ter um pouco mais de compreensão desse complexo ser ou mesmo conseguir defini-lo?

Será que raça, cor, gênero, língua, crenças, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento – qualquer outra condição ou classificação que seja – podem realmente nos distinguir ou dizer um pouco mais sobre quem somos nós?

Sombra e luz num conflito sem fim

Qual a diferença entre a luz e as sombras, onde é que se encontra o limiar delas? Estaria a resposta pra vida entre esses extremos?

Qual a diferença entre a luz e as sombras, onde é que se encontra o limiar entre ambas as coisas? Estaria a resposta pra vida, o universo e tudo mais entre os dois extremos?

Te convido agora pra fazer um mergulho profundo – do céu ao mar, passando pela terra e o mais além – pra gente explorar um pouco das inúmeras possibilidades e vaguear pelos mistérios que permeiam toda essa dimensão.

A vida que a morte concedeu

Desde pequeno a gente aprende o que fazer pra conseguir o que quer e pra isso, às vezes, são necessárias técnicas de persuasão bem criativas.

Desde pequeno a gente aprende o que fazer pra conseguir o que quer e pra isso, às vezes, são necessárias técnicas de persuasão bem criativas, assim, enquanto crescemos, continuamos em busca do que nos parece melhor, afinal, temos livre-arbítrio.

Mas e se tudo não passar de ilusão? E se negar nossos desejos e vontades for exatamente a resposta pra viver algo maior que nós mesmos, maior até que a própria vida?

Sendo isso verdade, dá pra entender qual o significado de encontrar a vida na morte.

Página anterior Próxima página