A poesia se esconde em cada canto livre,
Nos momento e instantes, em qualquer espaço,
Nas curvas sinuosas, nas retas também,

Na mancha de cor ou no asséptico branco,
Nas nuvens deslizando pelo céu,
No cinza que antevê chuva e frio.

A poesia se esconde no abraço acolhedor
E no desprezo que afasta e machuca,
Na palavra dita ou não, pensada ou escrita,

Em cada sequência de pensamentos,
A cada marca do relógio, cada ponto, final,
Reticências e vírgulas, que acentuam sentidos.

A poesia se esconde em atos e cenas,
Em cada ação e reação, também na inércia,
Nos objetos parados ou em movimento,

Rápido ou devagar, avançando ou voltando,
Na mão segura que conduz o lápis ou pincel,
Caminhos, levando as águas tranquilas.

A poesia se esconde em cada brincadeira,
De esconde-esconde, vai no pique do pega-pega,
Correndo pra cima e pra baixo, pulando corda,

Bate-estaca, na amarelinha, vai do céu ao inferno,
Corre a bola de um ponto a outro, pra fazer cesta,
Gol, marcar pontos e vibrar com a felicidade.

A poesia se esconde encontrada e perdida,
Naquilo que já se foi ou no que ainda vai ser,
Passeando nas memórias, emoções e sensações,

Ela trafega entre descobertas, verdades e ensinos,
Assim desenha seu caminho pra fora da mente,
Até alcançar novos olhares e corações receptivos.

A poesia se esconde onde não foi pretendida,
Nem se prendeu, se convidou ou foi oferecida,
Como o vento segue caminho desconhecido,

Subindo até as alturas, onde lá faz moradia,
De lá se avista o céu, terra, árvores e animais,
A vida e a alegria de cada novo despertar.

A poesia se esconde, mas também aparece,
Sem fazer questão de ficar oculta, se revela,
Gostando de ser apreciada, aparece na janela,

Mesmo sem ser esperada, ela cai com a chuva,
Enchendo de orvalho as flores, de vida as plantas,
De frescor banha a terra e de arco-íris pinta o céu.

A poesia se esconde de lá pra cá e de cá pra lá,
Entre a multidão, ela vem cheia de sorrisos,
Nas asas da alvorada toma carona, carregada

Até o dia ser perfeito e se encher de luz,
Pra ela tudo é uma brincadeira, um drama,
Grande felicidade, tristeza, algum sentimento.

A poesia se esconde na água a correr no riacho,
No fogo que queima lenha e esquenta o fogão,
No sol aquece na primavera ou torra no verão,

Também se encontra na brisa que refresca e alivia,
Em cada manhã, nas tardes, noites, até mesmo
Na madrugada onde o sono parece fugir de nós.

A poesia se esconde, mas fica tão bem encontrada,
Marcando presença nos desejos ocultos ou revelados,
Nas estrelas piscantes e nas que prefere ficar mudas,

No silêncio noturno ou na agitação do dia e tarde,
Também desperta nas madrugadas, só pra falar
De coisas profundas, no sono que vai escapando.


#freetalk

Se existe algo que me toca profundamente é a poesia com sua beleza que pode surgir dos momentos e coisas mais inusitadas – conforme você aqui. Minhas interações com as pessoas mexem comigo de uma forma que, boa parte das vezes, só sei poetizar sobre – ainda vai sair um poema que fala mais sobre isso.

Toda essa minha sensibilidade – que já cheguei a considerar como um peso e até cheguei a evitar por vários anos – credito total a D-s, que me faz ver a vida e tudo mais de uma perspectiva tão intensa – a música escolhida consegue expressar isso melhor.

Amanhã, 21 de março, é comemorado o dia mundial da poesia, então, nada melhor que celebrar a beleza da profundidade das coisas com um poema sobre a poesia. Esse é o poema usado no plano de fundo das capas dos poemas de 2020, outra curiosidade é que o nome da categoria, Poesificando, foi criado porque acredito que tudo pode se transformar ao toque da poesia e com isso sensibilizar os corações.

Ósculos e amplexos,

mishael mendes sign, assinatura

Mishael Mendes

Um cara totalmente apaixonado por música, se deixar ele não quer fazer nada sem uma boa trilha sonora. Amante de fotografia, livros, animais e comida boa – principalmente a da mãezona. Criou o blog e o canal pra compartilhar sua visão inversível da vida.