Fragrante – Desfazendo-se em beijos (Episódio 8)

Jennie resolve aceitar o convite e vai encontrar Simey, ao chegar lá ele não estava, pra não perder viagem ela resolve passear pelo bairro e conhece Chuck, maior gatinho, além de bem educado.

No fim, tudo acaba dando certo e ela segue pra casa de Simey, que a espera pra um abraço apertado. Ela acaba passando o resto da tarde jogando e batendo papo, até perceber estar tarde, Simey insiste em levá-la, chegando lá, acontece o tão esperado beijo, até algo os interromper.

Continuar lendo Fragrante – Desfazendo-se em beijos (Episódio 8)

Mulher, apaixonante poesia de se viver

Mais um ano se passa e com ele o calendário destaca uma data das mais apaixonantes, onde celebramos a beleza, força e singularidade da mulher, que em si mesma é plural, antônimo e verbo – tudo isso misturado e condensado num marcante ser. Aquela que transforma simples ações em algo peculiar, com sua paixão e entrega em todos os propósitos.

São elas que tornam nossos dias mais perfumados e cheio de vida, que arrancam sorrisos mesmo sem a gente querer, inspirando poesias em letras e canções.

Continuar lendo Mulher, apaixonante poesia de se viver

Fragrante – Solicitação de amizade (Episódio 7)

Depois de rever Simey e aproveitar pra vê-lo até as vistas casar, Jennie vai com a galera pra praça, lá ele resolve tirar uma foto e os dois ficam bem juntinhos. Quem disse que ela conseguiu parar de pensar nisso quando chegou em casa?

Como ela estava diferente aproveitou pra tentar esconder quem era, mas Simey acabou encontrando ela e enviou uma solicitação de amizade. Dessa vez foi diferente e ele estava bem mais interessado, a conversa acabou por resultar num convite que a fará ficar perder o sono.

Continuar lendo Fragrante – Solicitação de amizade (Episódio 7)

Nada [in]definido, numa inconstante conjunção

Você já tentou o nada definir? Se acha que fazer isso não tem nada a ver com nada, então te convido a se deliciar com esse poema que tem como brincadeira significar o insignificável e mostrar um pouco do que o nada, pode ou não ser, porque ele é quem é e também o quanto pode sofrer em sua insignificância de nada ser.

O texto é curto, é rápido e diferente, mas também não tem nada de especial nele – ou será que podia ter? Agora só lendo pra você descobrir!

Continuar lendo Nada [in]definido, numa inconstante conjunção