Tudo o que foi dito sobre ti
Tem sido tristeza e solidão
Abandono, desespero, falta
De calor e distanciamento,

Mas o que poucos conhecem
É que por trás de cada sopro
Que congela e traz friagem
Há versos ocultos no alvor.

Inverno não é apenas estação
Em que toda beleza natural
Se esconde sob manto de neve
Também é quando floresce cor.

Camélia, das damas a mais bela,
Desvela no frio o seu esplendor,
Símbolo de fidelidade, conquista
Com airosa simetria e suave olor.

Perfeito é o amor que se revela
Ao que anela ver com o coração,
Mesmo na geada mais intensa,
A viola tricolor se apresenta

Mostrando poder de resiliência,
Ela dá cor aos pratos e receitas,
De alegria inunda os paladares
Dando tom de sublime harmonia.

Se confundindo com a brancura
Pode ser encontrado a gardênia
Que dá ao ambiente graciosidade
Exalando inebriante fragrância.

Do inverno a rainha é o ciclame
Perdura com beleza exuberante
Mesmo em clima tão congelante
Ela exala resignação e renúncia.

De delicadeza a época se enche
Já que com maior desenvoltura
A orquídea denphal sobressai,
Sendo hidratada pela neve,

Somando-se ao colorido cravo,
De aroma delicado e peculiar
Que exuberantemente brota
E traz amor, carinho e pureza.

Ao brilho dos raios de sol
O calor se faz aconchegante
Aquece chocolate, atitudes
E também o nosso coração.

De albor se revestem as peles
Do lagópode-branco, do coelho,
Da doninha, da raposa-do-ártico
E até da lebre-da-montanha.

Época de andar mais arrumado,
De encontrar calor e carinho
No acolhimento dos amados,
Se sensibilizar pelo próximo.

Enquanto as árvores adormecem,
E protegidas as raízes expandem,
Ameixeiras se enchem de flores
Trazendo consigo um novo tempo.

Vasto mar de flores se estende
Com açafrão, narcisos, jacintos
E tulipas de cores deslumbrantes
Esquentam moda, além da mente.

Assim se transforma em encanto,
O que antes era apenas desgosto,
Florescendo perfumes e belezas
Também calor, humano, intenso.


#freetalk

O inverno chegou sem se fazer notar, o tempo anda tão bonito e ensolarado com o frio surgindo apenas de madrugada, que nem parece que ele já estendeu seu manto no último sábado (20/06), mas cá está, nos fazendo companhia.

A gente costuma ter um conceito errado sobre a estação, já que ela causa alguns inconvenientes – levantar da cama pode se tornar mais custoso, tomar banho, então, nem se fala, fora aquela história de que é ainda pior pra quem está só nessa época, já que não tem quem o possa aquecer.

Só que o frio também faz parte de um ciclo que não oculta apenas belezas – pondo a natureza pra descansar – mas também permite que o que resiste, surja ainda mais cativante e belo de se ver.

Ósculos e amplexos,

mishael mendes sign, assinatura

inversivelpoema poema poesia poesiainversivel poesificando soundtrack