Vida – Princípio & Redenção (Everything)

Tempo estimado: 3 minutos

Da terra o Homem foi formado, soprando-lhe o fôlego, o Eterno o concedeu vida, ar, coração pulsante e movimento, conforme seu parecer, a luz fez sombra e a matéria imagem se tornou.

Contente com o que criou, o Eterno mostrou-lhe o reluzente sol, marcando o dia, as flores, suaves e perfumadas, as grande árvores, cheias de frutos pra saciar a fome, os pássaros, numa imensidão de cores voando pelo céu. Ao ver tudo aquilo, o Homem ficou admirado com tamanha beleza espalhada pra onde quer que olhasse, por fim, o Eterno mostrou as águas onde seu Espírito repousava, de onde o homem podia saciar-se de sua presença.

O tempo passou e o Homem continuava a admirar, enquadro desfrutava das maravilhas da criação, até a Soberba se mostrar atraente e ele ver que a imagem refletida ali, mostrava seu grau de perfeição, o novo conhecimento o deixou contente e ela ensinou que ele devia aproveitar pra fazer o que quisesse, assim se tornaria a própria lei e isso o envolveu cada vez mais com si mesmo.

Esperando o Homem sair da ilusão e se voltar pra Ele, o Eterno apenas o contemplava, mas a Soberba afastou, ainda era cedo e ele precisava aproveitar a vida.

Assim o Homem foi se perdendo cada vez mais, então o Dinheiro chegou e fez-se desejado, o Homem começou a servi-lo, até o ponto de persegui-lo feito animal, esquecendo princípios e valores pra ter cada vez mais e aumentar o status.

Frustrado pelo ter, ao passo que o ser parecia beirar a não existência, o Homem buscou encontrar algo, aquilo que lhe faltava, e lembrando da água do paraíso, a buscou no chão, sem sucesso, ao erguer os olhos o Álcool reluzia a sua frente. Seria essa água que ia enchê-lo da essência do Eterno?

Tanto tempo se foi que as lembranças não passavam de sombras, mas o Álcool se mostrou tão acolhedor, já corrompido, tudo pareceu ainda mais prazeroso e ele foi se afogando pra obter sentido e um pouco de felicidade, enquanto os entorpecentes pareciam melhores, ainda assim nada era o suficiente e ele precisava de mais.

Nisso a Sensualidade surgiu em sua vida, lhe envolvendo a cabeça e o possuindo e ele se perde no no sexo, maculando seu leito e, mesmo depois de tudo, a vida continuava sem sentido.

Veja também  O Fragrante – Nova solicitação de amizade (E7)

Eis que surge a Morte e, sugerindo ‘libertação’, lhe entrega uma faca pra ele suicidar-se, profundamente angustiado o Homem percebe o que está prestes a fazer e no desespero tenta sair dessa condição, porém já é tarde pra voltar e retornar de caiu, mesmo tentando sair daquilo, acaba por pegar uma arma e sem forças aponta pra própria cabeça, afinal, não havia mais volta, aquele era o fim que merecia por tudo que fez, ele precisava pagar por todos os erros!.

Quando estava prestes a puxar o gatilho, lembrou-se do Eterno e tenta alcançá-lO e, largando tudo o que conseguiu, corre pra lançar-se nos braços de amor do Eterno, estendidos a lhe esperar.

Porém, antes terá de lutar contra vícios, situações, os que não acreditam que possa mudar e pior: contra si mesmo. A guerra permanece intensa e ainda mais difícil, ele foi tão fundo em meias verdades e nos prazeres corrompidos que, por mais que lute com todas as forças, não consegue vencer.

Grande e árdua foi a luta até que, após tantas quedas, percas, feridas, já sem forças e prostrado, percebe que não há outra opção a não ser clamar por ajuda. É aí que o Eterno surge e, enquanto o Homem pede perdão pelos erros cometidos, Ele guerreia, defendendo-o contra principados e potestades que afligiam sua criação, até lançar por terra o que o oprimia.

Então, o Eterno o ergue pela mão, limpando as feridas e com seu sangue o redime, tomando-o pra Si, agora ele já não é apenas criatura, mas filho. Agora o Homem está livre pra sentir a vida que o Eterno reconquistou, pra desfrutá-la eternamente ao lado seu.


#freetalk

Considero que essa seja uma das melhores interpretações, partindo da criação, passando pela batalhe espiritual, até chegar no sacrifício de D-s por nós, seu cuidado, mesmo a gente persistindo no erro, como Ele está disposto a ajudar e até nosso resgate.

Veja também  Flamejante verdor (Dos seus olhos escapou)

O Pai sempre será o maior interessado em nos ter de volta, foi pra isso que entregou o próprio filho [João 3.16] e essa encenação, ao som de Everything, da Jesus Culture, consegue mostrar de uma forma profundamente poética, deixando evidente nossa capacidade de errar e a de D-s em nos trazer de volta pra si, até o momento em que irá restaurar todas as coisas [Atos 3.21].

Cheguei a interpretar a encenação com alguns amigos e ela realmente é ainda mais emocionante quando damos vida a toda essa história. Ela me tocou tanto que, antes de apresentá-la pela última vez, escrevi essa versão – que fiz algumas correções a atualizações – tentando ser o mais fiel possível a narrativa sem palavras.

Ósculos e amplexes,

mishael mendes sign, assinatura