episodioanterior

Toda mulher tem seus segredos e mistérios que lhe dão uma força capaz de muita coisa que até ela mesma desconhece, assim é Lara – alguém que sabe o que quer – que acabou tomando algumas decisões bem radicais.

Suas escolhas chegaram a chocar, mas acabaram fazendo ficar mais forte e independente – fora a beleza que possui, ainda tem um carisma que lhe concede tudo o que quer, principalmente do sexo oposto.

Acompanhe a minissérie » EP 1EP 2EP 3EP 4


Acordaaaaaaaaa, São Paulo!

Dizem que aqui é a “terra da garoa”, pois normalmente o clima frio é meio chuvoso, mas vocês precisam ver como o dia está lindo hoje, com um sol intenso. Aproveita pra abrir a janela e deixar a luz invadir a casa, pois apesar do clarão, a temperatura está agradável – excelente pra espantar qualquer traço de preguiça, além de energizar total.

Um ótimo dia pra todos, em especial pro Alexey, que logo despertou, assim que viu o dia maravilhoso nascendo – ele quase se jogou pela janela quando contemplou lá fora. Ainda nem tinha dado cinco horas, mas já estava claro, com um céu repleto de nuvens de diversas tonalidades de rosa, com pontos fluorescentes.

— Bom diaaaa! – Alexey soltou ao esticar os braços, os lábios fizeram o mesmo, se abrindo num imenso sorriso.

Ué, cê tá falando comigo? Cê também pode me ouvir? – Peraí que agora quem ficou surpreso fui eu.

— Mas é claro!

Da hora! Essa é a primeira vez que um personagem fala comigo! Vocês fazem ideia como isso é incrível?

E aí, Alexey, o que está achando? Você pode me ver?

— …

Fazia ideia que tinha alguém contanto sua história?

—…

Bom… você parece meio silencioso. Acho que ficou meio em choque pela surpresa. – Só pode ser isso!

—…

“Toda mulher tem seus segredos e mistérios que lhe dão uma força capaz de muita coisa que até ela mesma desconhece.”

Bom, estou maior contente, afinal, pensei que fosse só ficar narrando, aí, de repente, você fala comigo. Maior emoção!

—…

É… agora é a parte que você interage comigo…

— Tá bom! Chega de encher o saco, não tô a fim desse papo!

Calma aí, rapaz! Sei que me empolguei um pouquinho só – quase nada – mas precisa disso não. Eu, hein!?

— Tá bom! – Ele bufou. – Tô desligando!

Ué, ele tava no telefone? Como assim? Nem vi nada!

— Saco! – Ele resmungou enquanto tirava o earbud.

Quando ele atendeu ou fez ligação, sendo que eu que digo tudo que acontece nessa parada aqui nem percebi!?

Ah! Já sei! Como o Alexey é viciado em música, deve ter dormido com o fone no ouvido, mas como minha atenção ficou total nas coisas gostosas que Lara estava fazendo, acabei esquecendo dele e esse detalhe acabou escapando.

Você deve ter ficado curioso pra saber quem teria tamanha cara-de-pau pra perturbar tão cedo – não dá pra discordar do Alexey ter ficado estressado – mas depois dessa gafe quero nem saber de nada, então vamos deixar apenas como alguém bem inconivente que está tudo certo.

Apesar do telefonema desagradável, bastou ele olhar pra fora que a careta desfez e ele sorriu novamente, ainda tinha alguns poucos tons de rosa, mas o tempo agradável recuperou-lhe o bom-ânimo, anda mais porque ele pode ler no céu o quanto o dia parecia promissor – algo excelente estava pra acontecer e ele sabia bem do que se tratava.

Embora pudesse perceber as horas pelo céu, confirmou no celular, ao fazer isso – animado com o dia lindo que nascia – abriu o app pra mandar bom dia pra Lara.

— Melhor não, inda tá cedão! – Ele desistiu, jogando o celular pro outro lado da cama.

Então ficou vendo as nuvens percorrer a pista azulada, se desfazendo e juntado-se umas às outras, sem qualquer vestígio de pressa, enquanto o vento entrava pela janela, suavemente, balançando pelo caminho as árvores que enchiam a rua. Ao invés de ficar pendurado na janela, aproveitando a vista, Alexey deu um pulo antes do sol o expulsar – algo que costumava acontecer por volta das sete.

Cheio de boas expectativas, escovou os dentes sorrindo pro espelho, após sair de um banho refrescante – como o tempo estava quente, acabou se banhando na água fria – pensou novamente em mandar mensagem.

“Não é preciso muito pra deixar alguém feliz, às vezes uma palavra sincera de carinho já basta.”

— Não… deixa pra depois… – Ele já ia pegar o celular, mas mudou a direção da mão e catou a toalha pra se secar.

Pro café da manhã, aproveitou que a fome já estava fazendo o estômago rugir, derreteu manteiga numa frigideira anti-aderente, depois desligou o fogo e quebrou dois ovos caipiras, que além de ter gema laranjinha de dar gosto ainda eram duplas, daí colocou duas pitadas de sal, orégano, azeitona, um pouco de cebola-branca, cebolinha, coentro e palmito, ligou o fogo e fez um ovo mexido no capricho.

Depois de pronto, deu uma torrada em duas fatias de pão integral, cortou quatro nacos de tomate e, com um fio de azeite e orégano por cima, as esquentou no microondas. Aí passou creme de ricota no pão, colocou os tomates, despejando ainda quentinho e pra completar, preparou uma mug de leite quente com achocolatado e canela.

Chamar o que ele preparou de café da manhã é puro eufemismo, já que se tratava de uma refeição completa, com bastante proteína e termogênico, como orégano e canela com ação antioxidante – que serve de anti-inflamatório, além de proteger contra danos de radicais livres e prevenir câncer. A canela ainda reduz o colesterol ruim e triglicerídeos, mantendo o nível do bom, previne o diabetes e doenças cardiovasculares, inibe o aparecimento do Alzheimer, melhorara a função motora de quem possui Parkinson, combate a Salmonella e auxilia na prevenção contra cárie dentária, além de reduzir o mau hálito.

— Alexa, toca a playlist “Pra acordar feliz”.

— Reproduzindo playlist “Pra acordar feliz”.

Tá vendo só? Até com objeto o Alexey fala! Agora comigo? Nada! Hummm…!

Tô cansado de ser ignorado aqui, de ficar só contando a história dos outros! Será que não mereço um pouco de…?

Acompanhado de uma boa trilha sonora, pra deixar o dia ainda mais feliz, ele tomou o café da manhã supernutritivo – de garfo e faca, porque de outra forma ficava difícil devorar a refeição. Após terminar, lavou e louça e já ia mandando mensagem novamente, mas achou melhor esperar por Lara, então foi dar uma geral na casa.

— Bom dia, príncipe encantado!

A espera valeu mesmo a pena, ele ficou todo empolgado ao ler a mensagem – não é preciso muito pra deixar alguém feliz, às vezes uma palavra sincera de carinho já basta.

— Bom dia, bebê! Tudo bem?

— Sim e você?

— Falando contigo o dia só pode ficar melhor.

— Nossa! O dia mal começou e já recebo toda essa dose de fofura?

— É que cê desperta o melhor em mim.

— Como não se apaixonar por um príncipe desses?

— Quem sabe assim cê não foge de me ver hoje?

— Jamais! Mais fácil cê fazer isso.

— Ué, mas por quê?

— Vai que cê só tá me iludindo pra eu me apaixonar e na hora some.

— Nada a ver! Té parece que vô fazer isso com um neném desses.

— Cê é incrível de mais pra ser de verdade que fico até com medo.

— Medo de mim?

— Sim! Porque ou você não existe de verdade, ou só quer me iludir.

— Não mesmo e vô provar quando a gente se encontrar! Vai valer a pena.

Pra provar o que falava, Alexey confessou que precisou se segurar pra não enviar mensagem cedo demais e ficou aguardando ela acordar, daí Lara disse ter acordado três vezes achando que ele tinha falado com ela, mas quando pegou o celular não tinha chegado nada.

Curioso, Alexey perguntou dos horários que ela acordou, quando Lara disse, ele se espantou, pois tinham sido os mesmos que sentiu o impulso de dar bom dia, mas acabou não fazendo isso.

— É sintonia que fala! – Ele riu.

— Só pode! – Lara também se surpreendeu. – Então, tudo certo mesmo pra hoje?

— Sim, mal vejo a hora de te pegar nos braços e encher de beijos.

— Também, tô ansiosa aqui!

— Inda bem que o tempo passa rápido, logo a gente se vê.

A ansiedade só aumentou depois de Lara enviar uma foto do bolo que preparou na noite anterior, dizendo pra ver o que o estava aguardando, a boca encheu d’água – apesar dele preferir pratos salgados, amava bolo de prestígio, algo bastante ligado a memória emocional.

Quando pequeno, Eurídice, sua mãe, costumava preparar a sobremesa em ocasiões especiais, como no aniversário dele, daí o bolo acabou virando tradição, já que Alexey só aceitava se fosse o de prestígio. Também foi a primeira receita que ele aprendeu a fazer – sob a supervisão da mãe – e agora, mas que nunca, a sobremesa era recheado de emoções, fazia alguns anos que os pais haviam partido.

Após a aposentadoria os pais resolveram mudar pro interior – algo que desejavam fazer há muito tempo já – mas ele resolveu ficar, isso deixou Eurídice apreensiva já que ele só tinha dezesseis, ela não queria abandonar o bebê morando sozinho na “cidade grande”, mas após muita insistência e conversa ela acabou cedendo.

— Mãe, faz um tempinho já que não sô mais bebê e me virar sozinho vai ser a melhor forma de amadurecer logo.

— Tudo bem, filhote!

— Não quero que deixem de realizar o sonho de vocês por minha causa, podem ir!

Na hora de se despedir, Eurídice não parava de chorar, mas foi só chegar lá pra ficar toda contente – reação essa já esperada – Alexey sabia que, apesar da mãe ser apegada a ele, gostava de ser livre, daí que fazê-la ficar, além de egoísmo, ia deixá-la mal. A mãe vivia dizendo que o sonho dela era ser caminhoneira, pra rodar o país – então já deu pra perceber o quanto ela gostava de ser bicho solto, né!?

Acabou que aconteceu o que ele disse, morando só, aprendeu a ser mais responsável, amadurecendo logo, afinal, só podia contar com si mesmo – isso às vezes era cansativo, mas ele não trocava por nada a liberdade que passou a ter.

Como Eurídice cozinhava bem – tão bem que às vezes Alexey quase tinha orgasmo – somada isso ao paladar apurado, ele acabou se por formar em gastronomia. Daí começou a trabalhar num local de lanches gourmet, isso alguns anos atrás – tempo suficiente pra começar a pensar em abrir o próprio restaurante.

Ainda mais depois de saber que Lara, não era apenas chefe de cozinha, mas a dona da Casa Vegan de Confeitos, isso o deixou ainda mais empolgado de ter o próprio negócio – bom, contatos e conhecimento pra isso já tinha o suficiente.

Aproveitando a boa disposição e que a casa estava em ordem, Alexey foi correr, o dia estava bom demais pra ficar apenas esperando até a hora do date.

Entre os intervalos das voltas, foi conversando com Lara e continuou no caminho de volta. Por ser feriado ela fechou a loja – que ficava na frente da casa dela – mais cedo e avisou que estava indo tomar banho.

Assim que chegou em casa Alexey tratou de tomar banho, ele quase tinha se desfeito em suor, tamanha intensidade do treino. Logo depois de se arrumar, preparou um almoço simples, mas bastante nutritivo, arroz integral com cenoura, feijãozinho carioca, vinagrete e uns quatro ovos cozidos.

Enquanto preparava tudo, viu que tinha chegado mensagem, mas deixou pra responder depois, assim dava pra dar mais atenção. Contanto o tempo gasto no banho, se arrumando, preparando o almoço, comendo e pra sair, levou pouco menos de duas horas.

Já na rua, enviou uma resposta engraçadinha e citou a mensagem dela que perguntava se tinha sumido, dizendo que estava ali, todinho pra ela e mandou emoji piscando o olho.

O tempo agradável, fez um sorriso se esboçar no rosto de Alexey e ele encostou na janela, pra observar a paisagem tentando alcançar o ônibus – algo que geralmente não fazia, pois ou estava ocupado lendo, ou no celular.

Além das árvores, plantas e matos que seguiam boa parte do caminho, pelos canteiros ou a beira da estrada, ele percebeu vários detalhes interessantes que nunca tinha visto antes, como grafites, casas com estilo arquitetônico bem diferentes, alguns mais modernos outros mais antigos, pontos de verde em lugares inusitados.

— Tô no metrô, bebê. – Ele enviou faltando uns dez minutos pro horário marcado.

Quando faltava apenas duas estações pra descer, ele perguntou onde ela estava, mas não recebeu resposta nenhuma – ela se quer chegou a visualizar as mensagens recebidas.


#proximoepisodio

Alexey chegou um pouco atrasado, ainda mais porque passou na floricultura e comprou um buquê de rosas pra Lara, mas o tempo foi passando e nada dela visualizar as mensagens ou responder.

Quando ele teve certeza que ela não ia mais aparecer, de repente, surge Lara com o bolo de prestígio nas mãos, fazendo festa e instigando a geral também entrar na farra – deixando Alexey totalmente sem jeito, mas bem contente.

Ósculos e amplexos,

mishael mendes sign, assinatura

adolescente desilusão episódio ilusão infantojuvenil jovem Minissérie: Prestígio (Todos episódios) relacionamento soundtrack teen