Você está (Onde meus olhos mirar)

Chega um momento em que de tanto pensar no ser amado, a gente acaba por vê-lo nos mais diversos lugares, como se ele estivesse a espreita, esperando apenas que a gente lhe olhar pra ter mais um motivo pra sorrir.

Assim a gente vai seguindo e, enquanto cresce o sentimento mais presente ele parece se fazer no dia a dia e nos pensamentos, daí quanto mais espaço ele tem em nós, mais difícil é não quer tê-lo além de desejos, mas, bem coladinho na gente.

Continuar lendo

O Fragrante – Improvável amor (E14)

Jennie fez de tudo pra tentar esquecer Simey, até usou aplicativo de paquera pra conhecer outros garotos – mas, sejamos sinceros, não é bem assim que a coisa funciona. Após cansar de vê-lo em tudo que é lugar, acabou decidindo ter uma conversa com ele – ela sentia que a história não estava resolvida, ainda tinha muito a ser esclarecido.

Ao chegar na casa de Simey, ele estava prestes a sair e ficou contente com a surpresa. Com a conversa Jennie conseguiu as respostas que desejava, até mais que isso, e teve de ouvir o que não queria, mas como tudo terminou foi ainda pior.

Continuar lendo

Insight a cada passo (Conexões estão a brotar)

Mas o que é que nos motiva a continuar caminhando mesmo quando tudo parece não dar certo ou quando o jeito parece ter se perdido entre tantas outras coisas?

O que nos inspira a continuar caminhando mesmo quando os pés cansam e a vontade não alcança àquilo que tanto se esperou?

O segredo, na verdade, é até simples e não está assim tão longe que você não possa alcançar com o toque da mão, sem precisar, se quer, esticar braço ou dedos.

Continuar lendo

O Fragrante – Quando iniciou o fim (E13)

Foi difícil pra Jennie controlar aquela enxurrada de emoções, mas ela acabou dando um jeito de manter o controle. Precisando conversar, pega o iPhone pra chamar a amiga.

Após se encontrarem, Jennie conta tudo o que houve, só que mal sabia ela o que a amiga tinha pra contar, principalmente do segredo que vinha escondendo a um bom tempo – isso só a fez perceber o tamanho da distância que precisa manter de Simey

Continuar lendo

Sedução das trevas (Quando o escuro brilhou)

Quem foi que disse que das trevas não se pode ter luz?

Entre mergulhos e imersões na escuridão de nosso próprio eu podemos ver luzes, estrelas, supernovas, brilhos e muito mais.

Esse é um convite profundo pra você avaliar um pouco de sua condição e se realmente tem valido a pena a forma que você tem conduzido sua vida: entre várias revisões rascunhadas ou a versão definitiva – independente dela ser boa ou não.

Continuar lendo

O Fragrante – Por causa da flor que caiu (E12)

Guiados pelo destino até a praça onde se viram pela primeira vez – após tantos desencontros – Jennie e Simey acabaram sendo atraídos um pro outro – parecia haver uma ação em cadeia entre sentimentos, desejos e química corporal que despertou reações físicas, resultando num abraço que trouxe lágrimas, lembranças e coração pulsando em ritmo descontrolado.

Difícil vai ser continuar apenas nisso, quanto dentro deles rola explosão muito quente, feito vulcão que os levará a impulsos a tanto negados. Será que as consequências dessa entrega valerão a penas?

Continuar lendo

Vida – Princípio & Redenção (Everything)

A partir de onde a gente veio até o ponto em que chegamos, quanto de nossas escolhas foram responsáveis por isso?

Mas o ponto mais importante é: fazer tudo o que a gente quer nos levou a um lugar melhor do que o começo? Conseguimos chegar ao paraíso seguindo nossas próprias vontades?

E se a resposta for não, como fazer pra retornar?

Continuar lendo

O Fragrante – O tempo e o Desejo (E11)

Várias coisas mudaram em Jennie, conforme o tempo a foi distanciando de Simey, a primeira delas é que agora se sentia mais segura e gostando mais de si mesmo, além disso, estava namorando, apesar de ter começado mais por empurrão, com o tempo passou a gostar dele, exatamente aí Luke lhe dá uma notícia, que a faz ir atrás da melhor amiga.

Ao sair mais cedo do trabalho, Jennie resolve passar na praça, é quando encontra quem menos esperava por lá, mas ao tentar fugir ela tem a identidade revelada.

Continuar lendo

O enigma do espelho (O que ele mostrou)

Quando você se olha no espelho o que ele realmente te mostra? Sua imagem ali refletida ou apenas sombras, imagens embaçadas e enigmas?

A imagem ali emoldurada reflete quem você é ou não consegue nem arranhar a superfície, congelando na faceta de vidro um pequeno retrato do que só os olhos podem enxergar?

Será que a miragem ali também sente dores e tristezas, alegrias e desejos ou ela reflete o mistério do que ainda estamos pra nos tornar?

Continuar lendo

O Fragrante – Destilando sentimentos (E10)

Muito tempo passou desde a última vez que Simey viu Jennie e, vida que segue, ele continuou tocando a dele. Apesar de ter sido bem ogro, ele tinha vários motivos pras atitudes que tomou.

Naquele feriado ele aproveitou pra descansar bastante, até resolver dar uma passada na praça, chegando lá encontra uma garota que lhe chama a atenção, ele tenta falar com ela, mas ela mal se move, ao tentar ter alguma reação, ela se afasta é aí que Simey descobre quem realmente ela é.

Continuar lendo

Pra sempre feliz (Ali eu vou estar)

Somos casa, onde várias coisas tentar entrar pra repousar ou se estabelecer, algumas chegam de mansinho, falando suavemente, outras querem invadir, tentando derrubar a porta.

Cabe apenas a nós, decidir o que pode ou não entrar ou permanecer, fazendo morada, pois ao se estabelecer lá dentro, fica mais difícil remover o que não convém. Saiba manter a porta fechada e abrir apenas Ao que te faz bem.

Continuar lendo

O Fragrante – Depois que a última lágrima secou (E9)

O que rolou entre Simey e Jennie a deixou completamente encantada, se antes mesmo de ficarem, ela já estava apaixonada, depois do beijo a coisa apenas se intensificou – o pior é que não pode contar nada pra mãe, pra melhor amiga também não deu certo, assim ela guardou toda aquela felicidade apenas pra si mesma.

Só que ela percebeu Simey cada vez mais distante, então resolve tirar a história a limpo e vai até à casa dele, mas isso se mostrou uma decisão ruim.

Continuar lendo

O Fragrante – Desfazendo-se em beijos (E8)

Jennie resolve aceitar o convite e vai encontrar Simey, ao chegar lá ele não estava, pra não perder viagem ela resolve passear pelo bairro e conhece Chuck, maior gatinho, além de bem educado.

No fim, tudo acaba dando certo e ela segue pra casa de Simey, que a espera pra um abraço apertado. Ela acaba passando o resto da tarde jogando e batendo papo, até perceber estar tarde, Simey insiste em levá-la, chegando lá, acontece o tão esperado beijo, até algo os interromper.

Continuar lendo

Mulher, apaixonante poesia de se viver

Mais um ano se passa e com ele o calendário destaca uma data das mais apaixonantes, onde celebramos a beleza, força e singularidade da mulher, que em si mesma é plural, antônimo e verbo – tudo isso misturado e condensado num marcante ser. Aquela que transforma simples ações em algo peculiar, com sua paixão e entrega em todos os propósitos.

São elas que tornam nossos dias mais perfumados e cheio de vida, que arrancam sorrisos mesmo sem a gente querer, inspirando poesias em letras e canções.

Continuar lendo

O Fragrante – Nova solicitação de amizade (E7)

Depois de rever Simey e aproveitar pra vê-lo até as vistas casar, Jennie vai com a galera pra praça, lá ele resolve tirar uma foto e os dois ficam bem juntinhos. Quem disse que ela conseguiu parar de pensar nisso quando chegou em casa?

Como ela estava diferente aproveitou pra tentar esconder quem era, mas Simey acabou encontrando ela e enviou uma solicitação de amizade. Dessa vez foi diferente e ele estava bem mais interessado, a conversa acabou por resultar num convite que a fará ficar perder o sono.

Continuar lendo

Nada [in]definido, numa inconstante conjunção

Você já tentou o nada definir? Se acha que fazer isso não tem nada a ver com nada, então te convido a se deliciar com esse poema que tem como brincadeira significar o insignificável e mostrar um pouco do que o nada, pode ou não ser, porque ele é quem é e também o quanto pode sofrer em sua insignificância de nada ser.

O texto é curto, é rápido e diferente, mas também não tem nada de especial nele – ou será que podia ter? Agora só lendo pra você descobrir!

Continuar lendo

O Fragrante – Basta aceder a luz (E6)

Por mais que tenha tentado deixar Simey – e, consequentemente o sentimento por ele – no passado, Jennie não se recuperou tão bem quanto esperava, tanto que a mãe começou a desconfiar.

Pra tentar melhorar o humor da irmã, James a convida pra ir ao curso conhecer sua turma, apesar de não estar nem um pouco a fim de sair de casa, ela resolve ir, a curiosidade de conhecer o pessoal de quem o irmão tanto falava acabou sendo maior, mas ela não estava preparada pra quem ia encontrar lá, nem pro que ia rolar depois disso.

Continuar lendo

Tempo que passou, distante, já não volta mais

Quando pequenos, desejamos crescer logo, afinal, criança não pode tanta coisa e os adultos parecem estar sempre proibindo tudo – sem falar no monte de coisas legais que podem fazer e a gente não.

Mas daí a gente cresce, surge um monte de responsabilidades, compromissos e obrigações e nos pegamos lembrando como era bom ser criança, quando se podia aproveitar de verdade. Só que o tempo não volta ou avança pro ponto que a gente quer – apesar de estar passando cada vez mais rápido, rumo ao que desde o princípio se definiu.

Continuar lendo

O Fragrante – Chama no probleminha (E5)

Jennie descobriu o paradeiro da correntinha, mas escondeu isso da família – isso era um segredo pra levar pro túmulo, até porque se contasse, era capaz disso acontecer mais cedo que o esperado.

Depois de dar maior fora em Simey, ela pensou ter se livrado de vez dele, mas ele encontrou uma forma de manter contato com ela. A princípio Jennie tenta fugir, mas acaba vendo o quanto ele é legal, daí quando a conversa estava ficando boa, ele some de vez, então ela resolve esquecê-lo.

Continuar lendo

Cansado, ele foi curtir a liberdade (In memorian)

Por maior que seja a quantidade de palavras, elas parecem perder todo o sentido quando falamos de alguém querido, pior ainda quando tentamos expressar o quão especial ele foi em vida.

Nesses momentos em que falar ou mesmo escrever parece não ser suficiente, a melhor forma de homenagear quem já não está mais fisicamente conosco é lembrar de como a pessoa viveu feliz e de sua forma única de ver e compartilhar a vida.

Continuar lendo
Fechar Menu